Sexta-feira, 25 de Setembro de 2015

ventriloquos

Sempre pensei que a mentira é fugaz e que, mais cedo do que tarde, acabará sempre por esboroar-se em coisa nenhuma. Odeio a mentira, por várias razões racionais, mas também por uma questão puramente prática: a mentira é muito mais difícil de sustentar do que a verdade, por mais dolorosa e crua que esta seja.

Era assim. Desde alguns anos para cá, que esta convicção tende a esvanecer-se. De facto a mentira pública ou privada, com efeitos sociais ou apenas com reflexos particulares, tornou-se num modo de vida de muita gente. A pequenina mentira, a mentirinha inocente, ingénua e hipócrita, a meia-verdade que apenas utiliza parte dos factos e as inverdades que nem sequer têm qualquer sustentação, fazem parte do manual prático usado pelos pequenos agentes políticos devidamente encartados e acartonados.

A proliferação destes ventríloquos de palavras ocas é tão grande que temo que chegue o dia em que todos vamos ter que desmentir a velha frase de Abraham Lincoln: «Pode-se enganar todos por algum tempo; pode-se enganar alguns por todo o tempo; não se pode enganar todos por todo o tempo.»

 

Tags:
Publicado por Fernando Delgado às 00:29
| Comentar post
Patilhar
Fernando Delgado

Pesquisar

 

Posts recentes

wildfire

granum

A. Lobo Antunes

«Cebola crua com sal e br...

«mundos mudos» no papalag...

Steinbeck

... fogos gregos

Stefan Zweig

Hermann Hesse

«Mudar de Vida»

Os "interiores"

Função social da propried...

Word Press Photo

Contributos para uma inte...

A terra do Capuchinho Ver...

Contributos para uma inte...

«Quando vier a primavera»

Contributos para uma inte...

Amenidades invernais

Contributos para uma inte...

A oeste nada de novo*

Lili Artic Golden, sem li...

Valha-nos deus

Tejo nauseabundo

Lobbies

Tags

aprender

canções

esboços

estórias

interiores

leituras

notícias do casino

outros olhares

peanuts

rural

todas as tags

Arquivos