Domingo, 21 de Fevereiro de 2016

Umberto Eco

A adaptação de livros ao cinema tem uma longa história, mas lembro-me de poucos exemplos em que esta ligação tenha resultado num final feliz. O Nome da Rosa é provavelmente um destes raros exemplos.

Entre o livro, o filme (de Jean-Jacques Annaud), e uma representação teatral, que há uns anos vi no Convento de Cristo em Tomar, ainda é este último que mais retenho na memória.

(Umberto Eco morreu. Não gosto de obituários, mas há personalidades que são incontornáveis e por isso aqui fica esta nota..., como complemento de outras: ver aquiaqui e aqui.)

 

Tags:
Publicado por Fernando Delgado às 00:05
| Comentar post
Patilhar
Fernando Delgado

Pesquisar

 

Posts recentes

«Tempo»

«Uma narrativa para a pai...

Guião para um filme tragi...

Guião para um filme tragi...

«... para uma geografia e...

Bertolucci

«O Bode Expiatório»

«A Invenção da paisagem»

«BBB»

wildfire

granum

A. Lobo Antunes

«Cebola crua com sal e br...

«mundos mudos» no papalag...

Steinbeck

... fogos gregos

Stefan Zweig

Hermann Hesse

«Mudar de Vida»

Os "interiores"

Função social da propried...

Word Press Photo

Contributos para uma inte...

A terra do Capuchinho Ver...

Contributos para uma inte...

Tags

aprender

canções

esboços

estórias

interiores

leituras

notícias do casino

outros olhares

peanuts

rural

todas as tags

Arquivos