Sexta-feira, 9 de Fevereiro de 2018

Tejo nauseabundo

Esta é uma daquelas "guerras" em que os silêncios não contam. Já sabemos que o Sr. Presidente da República não tem afetos pelo Tejo, mas onde andam os deputados do distrito de Castelo Branco e de Portalegre (e de Santarém, e de Lisboa, e...).

Transcrevo texto completo do Blog Vida q.b.

 
 
 «A Espuma nauseabunda do chico-espertismo e do Trumpismo à portuguesa - Sobre a Poluição do Tejo
 
Tenho andado em silêncio à la "Uma Thurman"; tentando controlar a minha fúria antes que diga algo de que me arrependa; não sei se consegui, vós me direis. 

Nasci à beira Tejo. Um Tejo de águas limpas. Ainda que já existissem fábricas de celulose em Vila Velha de Rodão o impacto era, à vista (pelo menos) inexistente, e o Tejo era a nossa praia de sempre. 

Tudo isto acabou. Primeiro foi a selvajaria dos areeiros. A extração de inertes transformou os areais, onde antes estendiamos as toalhas, em pedregais; simultaneamente o leito do rio ia descendo ao ritmo a que os inertes iam sendo retirados tornando os pedregais cada vez mais extensos e o rio cada vez mais estreito. 

Depois veio a privatização do sector da energia electrica, a gestão de caudais nas barragens deixou de se "submeter" ao interesse público para se submeter à lógica mercantilista. De um momento para o outro não se discutia só o problema do caudal que os Espanhóis permitiam que passasse a fronteira mas também o caudal que as barragens da bacia hidrográfica do Tejo permitiam que as atravessasse.

A flutuação de caudais a jusante das Barragens ia de cheio a quase seco em segundos deixando peixe a morrer em seco para gáudio das cegonhas e desovas a secar ao sol, peixe que nunca iria nascer, e de quase seco a cheio a velocidade de corrida de qualquer incauto mais distraído à beira de água que de certo não se livrava de molhar pelo menos os calcanhares enquanto corria no pedregal. 

Entretanto veio a seca. A situação dos caudais agudizou-se. Eram baixos, extremamente baixos, o Tejo atravessava-se a vau sem que a água sequer chegasse ao joelho ou nos ameaçasse de desequilibrio em alguns locais. Não era já um dos três grandes rios ibéricos era sim um ribeiro um pouco maior do que o normal. 

E a água ficou negra. Já vai há mais de 3 ou 4 anos que um velho pescador, hoje já falecido, se entristecia ao ver o "seu" Tejo da cor do petróleo, sem um peixito que fosse a pular nas suas águas. E a espuma, meu Deus, a espuma, acastanhada, nauseabunda. 

O cheiro da água do rio "viajava" quilómetros, cheirava a morte mas as industrias de Vila Velha de Rodão votavam os "pedidos de ajuda" a devaneios de loucos no silêncio da sua "inocência". 

Desde que isto começou mudou o Governo. Deputados da AR, sempre os mesmos, todos os do distrito de Santarém com excepção dos do PS, se apresentaram a "gritar" connosco, ali ao lado do rio, em contexto de Governo PSD/PP e depois de Governo PS; mas nada além de "palavras" de circunstância e de autorizações e licenciamentos para coisas ainda piores vinha de Lisboa. 

Em Lisboa o Tejo é largo e a esmagadora maioria dos cidadãos à muito o considera apenas como uma boa imagem de fundo; não lhes interessa que com o baixo caudal do Tejo vem a salinização do Mar da Palha (para quem não sabe é esse o nome do "Mar" que o estuário do Tejo forma) e que essa salinização tem implicações gravissimas.

O Tejo ali não cheira pior do que cheirava antes, a água não é mais escura do que era antes (e mesmo que seja nem para ela olham), é navegável e atrai os turistas e isso é o que basta. 

Mas as coisas mudaram, muito, a Celtejo deu por findo o "Silêncio dos Inocentes" processando o Arlindo Consolado Marques.

O Arlindo tem sido extraordinário na divulgação de todos os crimes ambientais que vai detetando na bacia hidrográfica do Tejo; o que começou como um levantamento pessoal dos males que ia vendo e que publicava no seu YouTube e Facebook, encontrou eco naqueles que viam e sofriam pelo Tejo e pelas suas vidas despedaçadas em espuma e negridão de morte que não tinham os recursos de equipamentos e destria para publicar os videos mas queriam que as pessoas soubessem o que estava a acontecer.

Esta junção de saber de todos os habitantes e pescadores da beira-rio com literacia tecnológica fez do Arlindo o defensor do Tejo que hoje todos conhecem, mas também o colocou na mira de tentativas de homicidio e de processos judiciais. 

Mas a quebra do silêncio da Celtejo não correu como esperavam. Primeiro porque o Arlindo não se amedrontou nem se politizou, manteve-se fiel a si próprio e ao Tejo. O Tejo merece ser defendido e o Tejo é de todos nós, da nascente à Foz; ao longo das margens do Rio dos concelhos de Mação a Vila Franca de Xira os apoios, de Municipios, Associações, privados ao Arlindo foram-se multiplicando. Segundo porque se deu o descalabro.

Logo passado uma ou duas semanas Abrantes "acorda" com espuma acastanhada que atingia a altura de 1 metro sobre um Tejo negro retinto. O Arlindo chegou rapidamente e as imagens encheram telejornais. A incúria, o compadrio, o deixa andar, chocou Portugal especialmente quando se percebe que os Presidentes dos Municipios de Nisa e Vila Velha de Rodão estão ao lado do(s) poluidor(es) mesmo quando confrontados com as imagens chocantes da espuma em Abrantes e Mação. Do lado oposto os Presidentes dos Municipios de Abrantes e Mação. 

O Ministro do Ambiente, atabalhoa-se, como habitualmente, tropeçando em meias soluções e em chutos para o lado. Parece que a culpa, para o Sr. Ministro é da Natureza, que não teve capacidade de processar os efluentes poluidores; numa primeira fase de "justificação do injustificável" a culpa não é do facto de com efeitos a Maio de 2016 a APA ter licenciado a Celtejo a aumentar a poluição que deitava ao rio até 18 de dezembro de 2018. 

Não interessava nada que nessa altura a seca já estava a iniciar, que os baixos caudais que atravessavam a fronteira aliados ao nível de poluição que estava já autorizado (e que se disse na altura já estar a ser excedido impunemente) estavam já havia muito a causar problemas a quem vivia do Rio, há que autorizar o aumento até porque a actividade piscatória dá poucas receitas à Administração Local e Central e não tem tanta influência nem poder. 

Os meus leitores atentaram à data de 18 de dezembro de 2018 certo? Provavelmente estão a pensar o mesmo que eu. A Celtejo contou com a lentidão da Justiça. Processa o Arlindo agora, até que os Tribunais avancem, entre férias judiciais falta de pessoal e pilhas de processos, o caso chega a Tribunal já os níveis de poluição deles está mais baixo, o Arlindo perde pois não consegue provar que a poluição entre 2010/11 (sim leram bem) e 2018 veio da "inocente" Celtejo e, uma vez condenado este "ativista", servirá de aviso, nunca mais ninguém terá coragem de enfrentar os "Donos Disto Tudo". 

Duas notas: 

- O efeito inesperado de um processo desenhado para silênciar para sempre a Sociedade Civil foi juntar mais gente à "revolta" e obrigar o Ministério do Ambiente e a APA a agir como nunca agiram. Como? Pela primeira vez mergulhadores foram fazer levantamento das lamas à saida do tubo de descarga; Pela primeira vez os serviços da APA estão a tirar amostras diárias e o roubo de amostras junto à saída do tubo de descarga da Celtejo e a necessidade da Policia estar no local (e mesmo assim terem desaparecido parte das amostras) apenas faz aumentar ainda mais a convição geral de que algo está muito mal; 

- O uso da expressão "Donos Disto Tudo" é propositada e não diz apenas respeito ao Tejo. As celuloses encheram o país de eucalipto. Eucalipto que ardeu e expandiu o fogo através das suas cascas e das suas folhas em chama ajudando à rapida propagação dos fogos deste Verão. O eucalipto que seca os solos, sendo mesmo proibido plantá-lo junto a nascentes de água porque as seca (será que isto é fiscalizado?...Sim,pois...), vai tomando conta do país porque é o que interessa às Celuloses. As Celuloses "mandam" em terra e na água neste Jardim à Beira Mar plantado. 

O que me enfurece são várias coisas:

1. Apesar da gravidade da Poluição do Tejo já ter vários anos, da luta das populações ribeirinhas pelo Tejo ter anos parece que só agora é que aconteceu;

2. Que a APA e o Ministério do Ambiente andam à anos supostamente a tirar amostras cujos resultados foram sempre inócuos (nem me perguntem onde é que tiravam as amostras porque isso apenas me enfurece ainda mais, apenas uma nota, nem sempre era no Tejo). Isto quando começou a APA atirar amostras porque antes valiam as tiradas pelos Poluidores autorizados;

3. Que a Celtejo continua a alegar que nada tem a ver com a poluição vísivel no Tejo. Embora isso já seja uma evolução pois no processo contra o Arlindo afirma que nem poluidora é, o que é estranho dado que se não o fosse não necessitava de Licenciamento da APA para o ser; 

4. Que o Ministro do Ambiente é um aspirante a Donald Trump. Desde o transporte de água por comboio do Entroncamento para a zona de Viseu (dois problemas: O Entroncamento é na bacia hidrográfica do Tejo e não é boa ideia retirar água de onde ela já escasseia; vagões tanque de transporte de água existem apenas num país da Europa, que tem bitola europeia, mesmo que nos emprestassem os vagões teriam de chegar cá e ser ajustados para circular nas nossa bitola ibérica); a o "problema" é da água "do Tejo que nos últimos tempos parece ter saturado”; a o problema é da “natureza não está a conseguir depurar a quantidade de matéria orgânica que está a aparecer e se transforma em espuma quando passa em Abrantes”; tudo seria hilariante se não fosse tão triste. 

Remato ainda com outra afirmação do Sr. Ministro a de que “Estamos a fazer essas mesmas recolhas com a certeza de que o problema que temos à nossa frente é um problema com uma dimensão que não resulta certamente da descarga A ou da descarga B, o que não quer dizer que elas não possam ter existido” numa afirmação digna de La Palice; a culpa é de muitas descargas, anos delas, mas da mesma "fonte"; "Fonte" que tem passado incólume, intocada e intocável, sob a "proteção" de alguma Administração Local e da Administração Central, a "proteção" desta última eu até poderia considerar "inocente" incúria não fosse durar há tantos anos e atravessar Governos de diferentes quadrantes políticos.»

 

Tags:
Publicado por Fernando Delgado às 23:09
| Comentar post
Patilhar
Fernando Delgado

Pesquisar

 

Posts recentes

«A Invenção da paisagem»

«BBB»

wildfire

granum

A. Lobo Antunes

«Cebola crua com sal e br...

«mundos mudos» no papalag...

Steinbeck

... fogos gregos

Stefan Zweig

Hermann Hesse

«Mudar de Vida»

Os "interiores"

Função social da propried...

Word Press Photo

Contributos para uma inte...

A terra do Capuchinho Ver...

Contributos para uma inte...

«Quando vier a primavera»

Contributos para uma inte...

Amenidades invernais

Contributos para uma inte...

A oeste nada de novo*

Lili Artic Golden, sem li...

Valha-nos deus

Tags

aprender

canções

esboços

estórias

interiores

leituras

notícias do casino

outros olhares

peanuts

rural

todas as tags

Arquivos