Terça-feira, 11 de Dezembro de 2012

...só uma linha

O aniversário passou. As sentinelas do palácio advertiram que o poeta não trazia manuscrito. (…) Eu dou-te o valor que te faz falta – declarou o Rei. O poeta disse o poema. Era só uma linha.

«[…]

No final o Rei falou.

         - Aceito o teu labor. É outra vitória. Atribuíste a cada vocábulo a sua genuína aceção e a cada nome substantivo o epíteto que lhe deram os primeiros poetas. Não há em toda a loa uma só imagem que não tenha usado os clássicos. A guerra é o formoso tecido de homem e a água da espada é o sangue. O mar tem o seu deus e as nuvens predizem o provir. Manejaste com destreza a rima, a aliteração, a assonância, as quantidades, os artifícios da douta retórica, a sábia alteração dos metros. Se viesse a perder-se toda a literatura da Irlanda – omen absit – ela poderia reconstruir-se sem prejuízo com a tua clássica ode. Trinta escribas vão trancrevê-la doze vezes.

         Houve um silêncio e prosseguiu:

         - Tudo está bem e não obstante nada se passou. Nos pulsos não corre mais depressa o sangue. As mãos não buscaram os arcos. Ninguém empalideceu. Ninguém proferiu um grito de batalha, ninguém opôs o peito aos viquingues. Dentro do prazo de um ano aplaudiremos outra loa, poeta. Em sinal da nossa aprovação, toma este espelho que é de prata.

         - Dou graças e compreendo – disse o poeta.

         As estrelas do céu retomaram o seu claro rumo. Outra vez cantou o rouxinol nos bosques dos saxões e o poeta regressou com o seu códice, menos longo que o anterior. Não o repetiu de memória; leu-o com visível insegurança, omitindo certas passagens, como se ele próprio não as entendesse de todo ou não quisesse profaná-las. A página era estranha. Não era a descrição da batalha, era a batalha. Na sua desordem bélica agitavam-se o Deus que é Três e é Uno, os numes pagãos da Irlanda e os que combateriam, centenas de anos depois, no princípio da Edda Maior. A forma não era menos curiosa. Um substantivo singular podia reger um verbo plural. As preposições eram alheias às normas comuns. A aspereza alternava com a doçura. As metáforas eram arbitrárias ou assim o pareciam.

         O Rei trocou algumas palavras com os homens de letras que o rodeavam e falou desta maneira:

         - Da tua primeira loa pude afirmar que era um feliz resumo de quanto se há cantado na Irlanda. Esta supera todo o anterior e também o aniquila. Suspende, maravilha e deslumbra. Não a merecerão os ignaros, mas sim os doutos, os raros. Um cofre de marfim será a custódia do único exemplar. Da pena que produziu obra tão eminente podemos esperar uma obra ainda mais elevada.

         Acrescentou com um sorriso:

         - Somos figuras de uma fábula e é justo recordar que nas fábulas prima o número três.

         O poeta atreveu-se a murmurar:

         - Os três dons do feiticeiro, as tríadas e a indubitável Trindade.

         O Rei prosseguiu:

         - Como prenda da nossa aprovação, toma esta máscara de ouro.

         - Entendi e agradeço – disse o poeta.

         O aniversário passou. As sentinelas do palácio advertiram que o poeta não trazia manuscrito. Não sem espanto o Rei fitou-o; era quase outro. Algo, que não era o tempo, havia sulcado e transformado as suas feições. Os olhos pareceiam olhar muito longe ou ter ficado cegos. O poeta rogou-lhe que trocasse umas palavras com ele. Os escravos abandonaram a câmara.

         - Não executaste a ode? – perguntou o Rei.

         - Sim – disse tristemente o poeta. – Oxalá Cristo Nosso Senhor mo tivesse proibido.

         - Podes repeti-la?

         - Não me atrevo.

         - Eu dou-te o valor que te faz falta – declarou o Rei.

         O poeta disse o poema. Era só uma linha.

[…]»

Jorge Luis Borges. O Livro de Areia. Quetzal, pp 76-79.

tags:

publicado por Fernando Delgado às 23:54
link do post | comentar | favorito

Abril 2022

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
20
21
22
23

24
26
27
28
29
30


pesquisar neste blog

 

arquivos

posts recentes

Adriano

... (quase) poeta

...às portas do crepúscul...

Adília Lopes

Um Reino Maravilhoso

O filho pródigo, segundo ...

As paisagens de Álvaro Do...

Pois!...

Dylan

Esplanadas

Mário de Sá-Carneiro

Um texto de Fernando Paul...

Yuval Noah Harari

eucalyptus deglupta

O silêncio dos livros

Cartoons

O inútil paciente zero

A infância...

Do lagostim à merda dos c...

Luis Sepúlveda

Abril

O pandemineiro

«Éramos felizes, mas não ...

Calma, é apenas um pouco ...

Ausência

Entre dos aguas

Piazzolla

«Tanto mar»

Fertilidade transumante

...

tags

aprender

canções

esboços

estórias

interiores

leituras

notícias do casino

outros olhares

peanuts

rural

todas as tags

links