Terça-feira, 24 de Julho de 2012

Rentes de Carvalho

(Apetece-me recomendar este livro!)

 

«[…]

       Na sexta-feira a aldeia encheu-se de gente, caras estranhas, amigos, parentes com a família toda, garotos lambuzados a chorar da caminhada. O forno não parava e as mulheres saíam cobrindo os tabuleiros, lá dentro tinham-se invejado, medido os doces, espiado quantos ovos a outra punha, as comadres a entenderem-se com piscadelas, cheias de raiva, a acusar.

        Na rua os ciganos largaram um burro inteiro e o animal, doido de cio, não sabia escolher, a mula do Bigodes apanhou-o em cheio na barriga, os rapazes em roda para que não escapasse, contando os coices, a atiçar a mula que de repente se voltou contra eles, disparada para os olivais, o burro atrás, as galinhas a cacarejar espavoridas com a cavalaria, as mulheres à janela e o Raposo encostado à bengala, a gozar, a moer entre os dentes.

         - Tem vergonha, porcalhão! – disse-lhe a mulher, empurrando-o, e o Marques, parado à entrada da loja, ouviu e desatou a rir.

         O veterinário mandara os carimbos pelo criado. O regedor que veja se os animais estão sãos. Diz-lhe que não tenho tempo. E o rapaz, julgando que fazia bem, pegou nos que encontrara sobre a escrivaninha, já que era para a festa levo os maiores! mas o regedor experimentou primeiro sobre papel, desconfiado da tinta que era vermelha. – Aqui há engano!

         Havia. Mataram os porcos diante do lagar, dez, uns atrás dos outros, um gritar dos diabos, ninguém tinha pensado que era preciso chamuscá-los e os foguetes estavam guardados nas pias do lagar, bastava uma faúlha…

         Levaram-nos para as eiras, os cães atrás, o rastro de sangue logo negro de moscas. Os ciganos tinham pedido as tripas e sentaram-se no muro à espera, tão mortiços que as galinhas lhe vinham debicar os pés, mas também era o último grão, o pescoço quebrava com um barulho de noz e os casacos abafavam tudo.

[…]»

J. Rentes de Carvalho in O Rebate. Quetzal, 2ª ed., pp 131.

tags:

publicado por Fernando Delgado às 01:11
link do post | comentar | favorito

Abril 2022

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
20
21
22
23

24
26
27
28
29
30


pesquisar neste blog

 

arquivos

posts recentes

Adriano

... (quase) poeta

...às portas do crepúscul...

Adília Lopes

Um Reino Maravilhoso

O filho pródigo, segundo ...

As paisagens de Álvaro Do...

Pois!...

Dylan

Esplanadas

Mário de Sá-Carneiro

Um texto de Fernando Paul...

Yuval Noah Harari

eucalyptus deglupta

O silêncio dos livros

Cartoons

O inútil paciente zero

A infância...

Do lagostim à merda dos c...

Luis Sepúlveda

Abril

O pandemineiro

«Éramos felizes, mas não ...

Calma, é apenas um pouco ...

Ausência

Entre dos aguas

Piazzolla

«Tanto mar»

Fertilidade transumante

...

tags

aprender

canções

esboços

estórias

interiores

leituras

notícias do casino

outros olhares

peanuts

rural

todas as tags

links