Sexta-feira, 17 de Abril de 2020

O pandemineiro

PP1.jpg

PP.jpg

O feireiro (1) voltou!

O feireiro voltou para nos explicar a pandemia do coronavírus. Agora sem chapéu de palha ou boina de agricultor, mas com gravata de seda, botões doirados no casaco e sapato lustroso bicudo (se me lembro era assim que o Mário Zambujal caracterizava um dos seus bons malandros, acrescentando “e escarreta no chão”, que obviamente não se aplica a tão ilustre personagem).

Com gráficos retirados de jornais, de publicações, da net, ou muito simplesmente juntando imagens a números de diversas fontes. Não há um raciocínio que se possa seguir (as frases terminam abruptamente em «bom…», como o martelo do juiz na bancada, ressoa a fim) a não ser aquele que já se esperava: idolatrando o trabalho de alguns (Taiwan, Singapura, Alemanha, …), ignorando muitos outros (EUA, Brasil, Holanda, Itália, …) e batendo nos restantes (China, Espanha, Portugal, …).

O José Alberto Carvalho às vezes tenta introduzir um pauzinho naquele discurso (mas nos EUA…; no Brasil…), mas é inútil – o guião está definido e não há como sair dele. A conclusão não depende de uma interpretação dos gráficos, é predefinida e os números são apenas um adereço. Não subestimem o pandemineiro, ele sabe que os números, por muito que os torturem, não se confessam...

São assim os intrujões: remetem-nos sempre para o universo do logro, da burla e da encenação patética. Não há nada mais comovente do que ver um pantomineiro a explicar uma pandemia!

(1) Não confundir com feirante: feireiro é aquele que frequenta feiras e se faz notado porque a única coisa que vende é a sua própria imagem – também conhecido por espalha-borralhos – enquanto o feirante é um trabalhador como qualquer outro…

 

tags:

publicado por Fernando Delgado às 02:00
link do post | comentar | favorito

Outubro 2022

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


pesquisar neste blog

 

arquivos

posts recentes

Marcelo, palavras precári...

John Steinbeck

Billie Eilish

Adriano

... (quase) poeta

...às portas do crepúscul...

Adília Lopes

Um Reino Maravilhoso

O filho pródigo, segundo ...

As paisagens de Álvaro Do...

Pois!...

Dylan

Esplanadas

Mário de Sá-Carneiro

Um texto de Fernando Paul...

Yuval Noah Harari

eucalyptus deglupta

O silêncio dos livros

Cartoons

O inútil paciente zero

A infância...

Do lagostim à merda dos c...

Luis Sepúlveda

Abril

O pandemineiro

«Éramos felizes, mas não ...

Calma, é apenas um pouco ...

Ausência

Entre dos aguas

Piazzolla

tags

aprender

canções

esboços

estórias

interiores

leituras

notícias do casino

outros olhares

peanuts

rural

todas as tags

links