Quinta-feira, 1 de Outubro de 2020

O inútil paciente zero

Tenho uma especial atração por estes temas, não sei exatamente qual a razão, mas, para além do natural espanto perante algo que está fora do alcance do meu conhecimento científico, pressinto que a mistura de ciência e filosofia me provoca alguma inquietação. A relação do violino e dos seus sons com a mecânica quântica em Os diálogos sobre física atómica (um livro com muitos anos...) e esta dedução de que é absolutamente inútil querer voltar ao passado para mudar o futuro, partindo da teoria da relatividade e tendo como exemplo o Covid-19 , são provocações que me convocam a uma reflexão, obviamente sem conclusões. Mas não há nada a temer. A filosofia e a ciência são dois aliados poderosos ligados por uma ponte precária sobre um rio de dúvidas. E é aqui que reside a sua força.

 

«Viajar no tempo é uma possibilidade que passou a ser levada mais a sério depois de assumida no último livro do físico e cosmólogo Stephen Hawking, entretanto desaparecido. Em 2018, uma série de outros físicos asseguravam estarem também absolutamente convencidos de que, pelo menos matematicamente, era uma possibilidade.

Agora, uma equipa da Universidade de Queensland, na Austrália, acaba de anunciar que resolveu o paradoxo lógico que valida a teoria. Algo que concilia a relatividade geral de Einstein com a dinâmica clássica.

(…)

Para os seus cálculos, os cientistas socorreram-se da pandemia de Covid-19 como modelo para determinar se as duas teorias poderiam coexistir – já que o mais famoso físico alemão considerava a possibilidade de se viajar no tempo, mas a ciência da dinâmica avisava que a sequência fundamental dos acontecimentos não poderia sofrer interferências.  

Digamos que alguém decidia viajar para o passado para tentar impedir que o paciente zero da atual pandemia fosse exposto ao vírus. Mas se isso acontecesse isso eliminaria a motivação para voltar do passado, já que a pandemia não existiria. (…) Principal conclusão: é absolutamente inútil querer voltar ao passado para mudar o futuro. 

[…]»

E se lhe disserem que viajar no tempo é (matematicamente) possível?, in Visão, 30.09.2020

 


publicado por Fernando Delgado às 00:19
link do post | comentar | favorito

Novembro 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
11
12
13
14

15
16
18
19
20
21

22
23
24
25
26
28

29
30


pesquisar neste blog

 

arquivos

posts recentes

eucalyptus deglupta

O silêncio dos livros

Cartoons

O inútil paciente zero

A infância...

Do lagostim à merda dos c...

Luis Sepúlveda

Abril

O pandemineiro

«Éramos felizes, mas não ...

Calma, é apenas um pouco ...

Ausência

Entre dos aguas

Piazzolla

«Tanto mar»

Fertilidade transumante

...

Notre-Dame

... à mesa do café...

Floresta/paisagem...

«Não há paisagens para se...

«A natureza deixa sempre ...

Eugénio de Andrade

«Deus e o Diabo»

... biodiversidade

Txoria Txori

A diversidade do territór...

«Tempo»

«Uma narrativa para a pai...

Guião para um filme tragi...

Guião para um filme tragi...

«... para uma geografia e...

Bertolucci

«O Bode Expiatório»

«A Invenção da paisagem»

«BBB»

wildfire

granum

A. Lobo Antunes

«Cebola crua com sal e br...

«mundos mudos» no papalag...

Steinbeck

... fogos gregos

Stefan Zweig

Hermann Hesse

«Mudar de Vida»

Os "interiores"

Função social da propried...

Word Press Photo

Contributos para uma inte...

tags

aprender

canções

esboços

estórias

interiores

leituras

notícias do casino

outros olhares

peanuts

rural

todas as tags

links