Terça-feira, 2 de Janeiro de 2018

O envelhecimento é a acumulação de erros

a ave sobrevoou as águas calmas e de um ponto indecifrável cresceram círculos concêntricos que refletiam todo o explendor de cores vivas das asas do bico alongado da cauda em leque do universo de penas floridas e era o começo do dia do dia tão igual como desigual de tudo o que não vê não se toca cresce aparece e desaparece e aparentemente (não) e de certeza existe salta vive a partir de um ponto indecifrável

 

«Aurora era uma deusa grega da madrugada e de acordo com a mitologia apaixonou-se por um ser humano, um mortal chamado Titão. Ela queria que o amante mortal também fosse imortal. Então foi ter com Zeus, o pai dos deuses, e disse:  «Por favor, dá imortalidade ao meu amante.» Então Zeus disse: «Ok, ok, vou tornar o teu amante imortal.» Mas ela cometeu um erro enorme. Ao pedir a imortalidade, esqueceu-se de pedir a juventude eterna. Como consequência, o amante ficou cada vez mais velho, mais velho e mais velho sem nunca morrer.Quando tivermos a fonte da juventude, temos de garantir que, não só vamos viver para sempre, mas temos de aproveitar. Temos de viver para sempre num corpo que seja útil. E é aí que entra a loja do corpo humano...»

Michio Kaku – Físico. City College of New York. 10 segundos para o futuro – 2077. RTP1, 02.01.2018.

 

não era uma ave era um pássaro assustado que ia caindo na água e também não era um ponto indecifrável era o local exato em que o pássaro com medo defecou

 

«O envelhecimento é a acumulação de erros. Erros genéticos, erros celulares, erros moleculares. Mas erros do nosso corpo. Agora sabemos que sim, há mecanismos de correção dos erros, mas eventualmente também eles se desgastam. É por isso que morremos.»

Michio Kaku – Físico. City College of New York.  10 segundos para o futuro – 2077. RTP1, 02.01.2018.

 

e o pássaro voltou e poisou na beira do lago parecia cansado e assim de perto chamei-lhe ave e ele fugiu reconstruindo-se das cores vivas das asas do bico alongado da cauda em leque do universo de penas floridas sobre as águas

 


publicado por Fernando Delgado às 23:41
link do post | comentar | favorito

.Abril 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
11
12
13

14
15
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30


.pesquisar

 

.posts recentes

. Notre-Dame

. ... à mesa do café...

. Floresta/paisagem...

. «Não há paisagens para se...

. «A natureza deixa sempre ...

. Eugénio de Andrade

. «Deus e o Diabo»

. ... biodiversidade

. Txoria Txori

. A diversidade do territór...

. «Tempo»

. «Uma narrativa para a pai...

. Guião para um filme tragi...

. Guião para um filme tragi...

. «... para uma geografia e...

. Bertolucci

. «O Bode Expiatório»

. «A Invenção da paisagem»

. «BBB»

. wildfire

. granum

. A. Lobo Antunes

. «Cebola crua com sal e br...

. «mundos mudos» no papalag...

. Steinbeck

. ... fogos gregos

. Stefan Zweig

. Hermann Hesse

. «Mudar de Vida»

. Os "interiores"

. Função social da propried...

. Word Press Photo

. Contributos para uma inte...

. A terra do Capuchinho Ver...

. Contributos para uma inte...

. «Quando vier a primavera»

. Contributos para uma inte...

. Amenidades invernais

. Contributos para uma inte...

. A oeste nada de novo*

. Lili Artic Golden, sem li...

. Valha-nos deus

. Tejo nauseabundo

. Lobbies

. Bocejos

. Contributos para uma inte...

. O envelhecimento é a acum...

. mapas rurais

. Ajustando as velas

. Contrastes

.arquivos

.tags

. aprender

. canções

. esboços

. estórias

. interiores

. leituras

. notícias do casino

. outros olhares

. peanuts

. rural

. todas as tags

.links