Quarta-feira, 20 de Julho de 2022

John Steinbeck

«[…]

Existiam certas práticas-padrão na reparação de um Modelo T. Por exemplo, se o radiador tinha uma fuga, deitava-se uma mão-cheia de farinha de milho ou de aveia na água. O calor da água cozia a papa, que cobria os tubos e selava a fuga. Certa vez, anos mais tarde, tive um carro de outra marca, também ele com muita idade e grande dignidade. A minha mãe vinha visitar-me e eu devia ir busca-la à estação do comboio. O radiador do meu carro tinha uma fuga preocupante e, automaticamente, deitei uma mão-cheia de farinha de trigo no radiador, esquecendo-me que os tempos tinham mudado. Enfim, o Modelo T efetuava a circulação da água de acordo com um princípio que se dividia em três partes: mágica, acidental e física, mas este outro carro tinha uma bomba de água – uma inovação desnecessária e estúpida. O carro trabalhava tanto antes de aquecer que demorou imenso a cozinhar a papa. Cheguei à estação, instalei a minha digníssima mãe no banco do pendura e iniciei o caminho de regresso a casa. Naturalmente, não tinha tampa no radiador; tais coisas eram consideradas um aborrecimento, até porque estava sempre a perder-se. De súbito ouviu-se uma explosão abafada e um cogumelo de aveia ergueu-se no ar. Uma parte esmagou-se de encontro ao para-brisas do carro, mas a maior parte aterrou no chapéu rendado da minha mãe.

[…]»

John Steinbeck in A América e os Americanos. Livros do Brasil, 1ª ed., pp 206-207.

 

td5_01.jpg

 

Obviamente nunca tive um Modelo T, mas também tenho um carro que funciona de acordo com princípios semelhantes: magia e acaso misturados com alguns pormenores vagamente termodinâmicos, em que as equações não são cumpridas à risca. O problema é que gosto dele e suspeito que, como eu, há muita gente que é proprietária de um mono - e que o adora. Mesmo que cientificamente seja abusivo, é reconfortante pensar que a segunda lei da termodinâmica está relacionada com esta adoração por coisas obsoletas - no fundo, bem lá no fundo, adoramos a desordem dos sistemas...

 

tags:

publicado por Fernando Delgado às 23:20
link do post | comentar | favorito

Julho 2022

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


pesquisar neste blog

 

arquivos

posts recentes

John Steinbeck

Billie Eilish

Adriano

... (quase) poeta

...às portas do crepúscul...

Adília Lopes

Um Reino Maravilhoso

O filho pródigo, segundo ...

As paisagens de Álvaro Do...

Pois!...

Dylan

Esplanadas

Mário de Sá-Carneiro

Um texto de Fernando Paul...

Yuval Noah Harari

eucalyptus deglupta

O silêncio dos livros

Cartoons

O inútil paciente zero

A infância...

Do lagostim à merda dos c...

Luis Sepúlveda

Abril

O pandemineiro

«Éramos felizes, mas não ...

Calma, é apenas um pouco ...

Ausência

Entre dos aguas

Piazzolla

«Tanto mar»

tags

aprender

canções

esboços

estórias

interiores

leituras

notícias do casino

outros olhares

peanuts

rural

todas as tags

links