Quarta-feira, 14 de Outubro de 2015

Esquecimento

«[...]

     Haviam combinado encontrar-se ali cinco anos antes. Ele não fora. Não tivera coragem para começar uma vida nova. Compreendera depois que não ter ido era uma rendição, uma aceitação de velhice. Guardara o endereço electrónico dela. Escrevera-lhe. Escreveu-lhe meses a fio. Não recebeu resposta alguma. Silêncio. Sim, o silêncio é uma resposta. A única que não se pode contestar.

     Abriu os olhos e deu com uma mulher parada diante dele. Sorria. Não era a mulher por quem esperava. Ou talvez fosse.

     - Conhecemo-nos?

     A mulher voltou a sorrir:

     - Não tenho a certeza - disse, numa voz de seda. - Passei por um rio.»

 

José Eduardo Agualusa. O Livro dos Camaleões. Esquecimento. Quetzal, 1ª ed., pp 30.

 

Tags:
Publicado por Fernando Delgado às 23:41
| Comentar post
Patilhar
Fernando Delgado

Pesquisar

 

Posts recentes

«Deus e o Diabo»

... biodiversidade

Txoria Txori

A diversidade do territór...

«Tempo»

«Uma narrativa para a pai...

Guião para um filme tragi...

Guião para um filme tragi...

«... para uma geografia e...

Bertolucci

«O Bode Expiatório»

«A Invenção da paisagem»

«BBB»

wildfire

granum

A. Lobo Antunes

«Cebola crua com sal e br...

«mundos mudos» no papalag...

Steinbeck

... fogos gregos

Stefan Zweig

Hermann Hesse

«Mudar de Vida»

Os "interiores"

Função social da propried...

Tags

aprender

canções

esboços

estórias

interiores

leituras

notícias do casino

outros olhares

peanuts

rural

todas as tags

Arquivos