Domingo, 16 de Novembro de 2014

O vedor

MMendes.jpe

 Já vi vedores em pleno trabalho e são impressionantes. Os homenzinhos (os dois ou três que vi em acção eram de fraca estatura - não sei se ajuda à função...) pegam num ramo, tiram-lhe as folhas de modo a ficar uma varinha, seguram-na nas duas mãos e começam a andar pelo terreno. A certa altura a vara começa a torcer-se toda e ele fica um pouco indeciso - dá um passo atrás, outro à frente, mais um para cada lado e estático, olha o dono do terreno, aponta o dedo para o chão e diz: aqui! E é ali que se inicia a furação de encontro ao veio de água antes descoberto. Se a água está a dez metros ou a cem metros, pouco importa - há água!

Por duas ou três vezes, tentei de varinha em punho (a mesma varinha que acabara de se dobrar nas mãos do vedor) ir muito devagar de encontro à água, mas qual quê, a varinha nunca se dobrou, nem mesmo nos sítios exactos onde antes tinha soçobrado à humidade profunda da terra. Mas pior que a minha inabilidade foi a sentença de incompetência do vedor: "é preciso saber!".

 

Lembrei-me do vedor ao ouvir o Marques Mendes na televisão a propósito já não sei bem do quê... Ele é o verdadeiro vedor no nosso tempo - tem a estatura adequada, sabe oferecer-nos água antes mesmo de termos sede, aparece ligado a um sem número de empresas e de casos, mas essas empresas ou já não existem ou se existem ele nunca lá pôs os pés, e os casos são apenas pequenos percalços naturais numa azáfama, que vamos aos pouco descobrindo, é de coisa nenhuma.

O homem trabalha, trabalha, mas não produz nada. O homem fala, fala, mas não diz nada. O homem corre, corre, mas limita-se a não estar no sítio que é suposto estar… , mas, glória das glórias, sabe aquilo que mais ninguém sabe: a forma de encontrar água a dez ou a cem metros de profundidade com uma simples varinha verde de oliveira. É preciso saber!

 

(O dicionário de Língua Portuguesa, da Porto Editora, diz que o vedor é (i) o que vê; (ii) inspector, intendente; (iii) o que é especialista na descoberta de veios de água nos diversos terrenos.)

 

tags:

publicado por Fernando Delgado às 00:57
link do post | comentar | favorito

Novembro 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
11
12
13
14

15
16
18
19
20
21

22
23
24
25
26
28

29
30


pesquisar neste blog

 

arquivos

posts recentes

eucalyptus deglupta

O silêncio dos livros

Cartoons

O inútil paciente zero

A infância...

Do lagostim à merda dos c...

Luis Sepúlveda

Abril

O pandemineiro

«Éramos felizes, mas não ...

Calma, é apenas um pouco ...

Ausência

Entre dos aguas

Piazzolla

«Tanto mar»

Fertilidade transumante

...

Notre-Dame

... à mesa do café...

Floresta/paisagem...

«Não há paisagens para se...

«A natureza deixa sempre ...

Eugénio de Andrade

«Deus e o Diabo»

... biodiversidade

Txoria Txori

A diversidade do territór...

«Tempo»

«Uma narrativa para a pai...

Guião para um filme tragi...

Guião para um filme tragi...

«... para uma geografia e...

Bertolucci

«O Bode Expiatório»

«A Invenção da paisagem»

«BBB»

wildfire

granum

A. Lobo Antunes

«Cebola crua com sal e br...

«mundos mudos» no papalag...

Steinbeck

... fogos gregos

Stefan Zweig

Hermann Hesse

«Mudar de Vida»

Os "interiores"

Função social da propried...

Word Press Photo

Contributos para uma inte...

tags

aprender

canções

esboços

estórias

interiores

leituras

notícias do casino

outros olhares

peanuts

rural

todas as tags

links