Sexta-feira, 17 de Janeiro de 2014

Carlos V

«Carlos V, no seu túmulo em Yuste, deve ter-se rebolado de riso, ao ver atribuído a Durão Barroso um Prémio com o seu nome, celebrando simbolicamente a Europa.

(...)

Durão Barroso é o rosto deste tempo. O que há meses alguns dos principais jornais europeus escreveram sobre a sua acção política, como responsável cimeiro da União Europeia, foi arrasante, como caricatura de incapacidade e de incompetência.
É por isso que Carlos V, ele que foi imperador determinado e fazia ouvir a sua voz em todo o espaço europeu, deve estar a rebolar-se de riso. Depois, na pompa e circunstância da cerimónia de Yuste, ainda se ouviu o argumento infantil de Durão Barroso a dizer que a Europa não tem culpa da crise, fazendo lembrar aqueles garotos que, descobertos no meio da traquinice, se desculpam:
-- Não fui eu, foram eles!

[...]»

 

O Riso de Carlos V. Para uma leitura integral em Notícias do Bloqueio de Fernando Paulouro das Neves

Tags:
Publicado por Fernando Delgado às 00:36
| Comentar post
Patilhar
Fernando Delgado

Pesquisar

 

Posts recentes

Stefan Zweig

Hermann Hesse

«Mudar de Vida»

Os "interiores"

Função social da propried...

Word Press Photo

Contributos para uma inte...

A terra do Capuchinho Ver...

Contributos para uma inte...

«Quando vier a primavera»

Contributos para uma inte...

Amenidades invernais

Contributos para uma inte...

A oeste nada de novo*

Lili Artic Golden, sem li...

Valha-nos deus

Tejo nauseabundo

Lobbies

Bocejos

Contributos para uma inte...

O envelhecimento é a acum...

mapas rurais

Ajustando as velas

Contrastes

Contributos para uma inte...

Tags

aprender

canções

esboços

estórias

interiores

leituras

notícias do casino

outros olhares

peanuts

rural

todas as tags

Arquivos