Terça-feira, 22 de Dezembro de 2015

Banif

O absurdo: numa economia de mercado, há empresas privadas que não podem falir! Essas empresas são bancos e não se afundam, não desaparecem: continuam indefinidamente a flutuar, como um tronco à deriva sobre as águas do rio - um rio que escorre dos bolsos de todos nós. Até quando, porra!

 

«Os rostos da vergonha que é o Banif

O Banif não é só mais um caso na banca portuguesa. É uma vergonha. Com um custo para si, o sempre disponível contribuinte, que pode chegar a um total de 3 mil milhões de euros. Depois do escândalo que foi o BPN, era expectável que a lição tivesse sido aprendida. Afinal não. Brincar com o dinheiro público é mesmo um desporto nacional.

Toda a culpa tem um rosto. E esse rosto tem nomes.

[...]»

Expresso, 21.12.2015

 

Publicado por Fernando Delgado às 23:54
| Comentar post
Patilhar
Fernando Delgado

Pesquisar

 

Posts recentes

«Mudar de Vida»

Os "interiores"

Função social da propried...

Word Press Photo

Contributos para uma inte...

A terra do Capuchinho Ver...

Contributos para uma inte...

«Quando vier a primavera»

Contributos para uma inte...

Amenidades invernais

Contributos para uma inte...

A oeste nada de novo*

Lili Artic Golden, sem li...

Valha-nos deus

Tejo nauseabundo

Lobbies

Bocejos

Contributos para uma inte...

O envelhecimento é a acum...

mapas rurais

Ajustando as velas

Contrastes

Contributos para uma inte...

Religiões

Negro profundo

Tags

aprender

canções

esboços

estórias

interiores

leituras

notícias do casino

outros olhares

peanuts

rural

todas as tags

Arquivos