Sexta-feira, 21 de Dezembro de 2007

Partições

No Bitaites (16.12.2007)
(... dicas para um simplex do léxico informático!)
"Que vem a ser isto?
É mais um post a melgar a malta do Windows por causa do Ubuntu.
E esta foto vem a propósito de quê?
Embora o rabo da actriz e cantora Jennifer Lopez não seja Livre/Aberto, como poderia escrever o Paulo Trezentos, decidimos usá-lo com o único propósito de vos ajudar a perceber o que são partições. Depois de lerem este pequeno guia, os utilizadores de Windows já terão entendido a divisão de um disco rígido e poderão, assim, aventurar-se na instalação do Ubuntu.
Ubuntu rima com… Já estou a perceber a ideia.
Insinuações baratas! A escolha da distribuição Ubuntu nada tem a ver com rimas ou partes específicas da anatomia feminina. Para a malta do Windows é a melhor. Não só permite uma transição mais suave como tem uma boa curva de aprendizagem.
Ah! Falou em curvas! Percebo…
Mau. Vamos lá tentar ver o rabo da Jennifer como uma partição. Tenho um guia para escrever!
Porquê o rabo da Jennifer e não outro?
A maior parte das pessoas já têm discos SATA de grande capacidade (120 GB ou mais) pelo que considerámos que o rabo da Jennifer seria uma representação mais apropriada.
E porque não um rabo masculino? És machista?
Sim, minha querida, infelizmente sou. Um rabo masculino e peludo equivaleria a representar um disco rígido IDE todo manhoso e cheio de bad sectors. Queremos partir do princípio, para efeitos deste guia, que os discos se encontram em bom estado e prontos a serem usados.
Qual é a relação entre a Jennifer e as partições?
Se imaginarmos o rabo da Jennifer como um disco e as nádegas como partições, veremos que, neste exemplo, existem duas: uma partição primária (nádega direita) e uma estendida (nádega esquerda). Se, por hipótese absurda, pudéssemos dividir o rabo da Jennifer, estaríamos a criar mais nádegas, ou seja, partições.
Não percebo nada.
Imagina então que a Jennifer tem rabo, mas não tem nádegas. Vais criar a primeira nádega (ou seja, a partição primária) com um software tipo Partition Magic.
Porquê o Partition Magic?
Embora seja compreensível a tua vontade em criar as nádegas à mão, convém que o processo seja automatizado. Usa o software que quiseres. Até podes escolher o Gparted (Gnome Partition Editor), usado no Ubuntu.
Como queremos facilitar-te a vida, vamos imaginar uma situação em que o Linux só usa três partições: ‘/’ (partição de sistema, digamos assim) ‘/home’ (a tua partição, ou seja, onde guardas a tua colecção de fotos de nu artístico) e ‘/swap’ (memória virtual). A partição primária que acabaste de criar é onde colocas a partição ‘/’.
E agora?
Bem, por enquanto o rabo da nossa Jennifer só tem uma nádega, o que é contra-producente seja qual for a analogia. Teremos agora de criar a nádega estendida, ou seja, uma partição estendida que irá ocupar o resto do espaço em disco.
Já criei. E agora?
Bem, dentro dessa partição estendida podes criar as partições lógicas que quiseres. Neste caso, criamos duas: uma grande para a tua partição ‘/home’ e uma mais pequena (512 MB deve chegar) para a /swap. Nesta nossa analogia, a Jennifer recuperou as suas nádegas: uma principal, outra estendida. Mesmo que não gostes de Linux, tens de concordar que este é o melhor procedimento. Seria lamentável que a Jennifer ficasse só com uma nádega.

E se eu já tiver o Windows instalado?

Bem, se alguém estiver sentado num sofá de dois lugares e tu te quiseres sentar também, o mais provável é que lhe digas ‘Pá, chega-te para lá um bocadinho se faz favor’. O que deves fazer é o equivalente a isso, ou sejas, redimensionas a partição do Windows para dar espaço ao Ubuntu.
E como é eu que faço isso?
Empurras o gajo com força, pode ser que caia do sofá! Bem, agora a sério: supõe que tens uma partição onde instalaste o Windows, a ‘C’, e uma segunda, ‘D’, onde tens os teus backups. Redimensionas essa partição ‘C’ (primária) de forma a que tenhas espaço para criar uma segunda (também primária) – nesta crias uma partição do tipo ‘/’. Agora faltam as partições lógicas, ou seja, falta redimensionares a ‘D’ para dar espaço a mais duas para o Ubuntu: a ‘/home’ e a ‘/swap’.
E porquê uma partição diferente para ‘/home’?
Ao contrário do Windows, o Linux separa as coisas. Isto é, toda e qualquer acção que possas fazer enquanto mero utilizador não afectará o sistema como um todo. Para recuperar a nossa analogia, imagina que dás um apalpão a uma das nádegas da Jennifer/Linux sem o consentimento desta: ela não te permitará chegar à segunda e ainda te dá uma galheta pelo desrespeito. No caso da Jennifer/Windows, o mais provável é que que ela te ofereça a outra nádega ou pense que a tua intenção é apenas brincar às cócegas.
Então nesse caso prefiro a Jennifer/Windows!
Por favor, não me estragues o post com piadinhas parvas, tá bem?
E essa cena do Grub, o que é?
O Grub é um gestor de boot, ou seja, um software capaz de iniciar o processo de carregamento de vários sistemas operativos num único computador.
E esse Grub é instalado onde?
Bem, deves instalá-lo na Master Boot Record (MBR).
MBR? Na analogia do rabo da Jennifer, onde é que isso fica?
Bem, equivale ao rego. Mas deixemos essas analogias antes que me expulsem da blogosfera por indecência! O MBR instala-se no primeiro sector do disco e contém um ‘mapa’ com indicações sobre a estrutura organizacional desse mesmo disco (partições, código de arranque do sistema operativo e assinatura desse código).
Tencionas actualizar este guia para quem tenha sistemas RAID?
Talvez. Isso implicaria duplicar o rabo da Jennifer, o que é uma ideia interessante. Por outro lado, atendendo a que existem vários tipos de RAID, ou seja, vários tipos de duplicações e combinações, poderíamos considerar a montagem de um sistema Jennifer Lopez/Scarlett Johansson. Boa ideia, pá!"
Tags:
Publicado por Fernando Delgado às 23:48
| Comentar post
Patilhar
Fernando Delgado

Pesquisar

 

Posts recentes

Word Press Photo

Contributos para uma inte...

A terra do Capuchinho Ver...

Contributos para uma inte...

«Quando vier a primavera»

Contributos para uma inte...

Amenidades invernais

Contributos para uma inte...

A oeste nada de novo*

Lili Artic Golden, sem li...

Valha-nos deus

Tejo nauseabundo

Lobbies

Bocejos

Contributos para uma inte...

O envelhecimento é a acum...

mapas rurais

Ajustando as velas

Contrastes

Contributos para uma inte...

Religiões

Negro profundo

«Ninguém desce vivo de um...

Contributos para uma inte...

Recomeços

Tags

aprender

canções

esboços

estórias

interiores

leituras

notícias do casino

outros olhares

peanuts

rural

todas as tags

Arquivos