Quinta-feira, 13 de Dezembro de 2007

Tratado de Lisboa

... muito interessante o penteado de Dulce Pontes – que bem que lhe ficava aquele visual no meio de tanto cinzentão engomado! Todas as encenações precisam de qualquer coisa que quebre a monotonia de momentos calculados ao milímetro – perante a fraca probabilidade de um pombo defecar bem do alto dos Jerónimos em cima de qualquer ombro presidencial, alguém encarregou Dulce Pontes de colorir o ambiente... Fê-lo bem, melhor ainda a cantar, transformando o pequeno número de Sarkosy numa mal ensaiada informalidade...
Não haja qualquer dúvida: somos muito bons a gerir coisas etéreas... É suposto que amanhã, esfumados os últimos clarões da festa e confrontados com a quotidiana realidade, acordemos mais felizes?...
Publicado por Fernando Delgado às 23:28
| Comentar post
Patilhar
Fernando Delgado

Pesquisar

 

Posts recentes

Stefan Zweig

Hermann Hesse

«Mudar de Vida»

Os "interiores"

Função social da propried...

Word Press Photo

Contributos para uma inte...

A terra do Capuchinho Ver...

Contributos para uma inte...

«Quando vier a primavera»

Contributos para uma inte...

Amenidades invernais

Contributos para uma inte...

A oeste nada de novo*

Lili Artic Golden, sem li...

Valha-nos deus

Tejo nauseabundo

Lobbies

Bocejos

Contributos para uma inte...

O envelhecimento é a acum...

mapas rurais

Ajustando as velas

Contrastes

Contributos para uma inte...

Tags

aprender

canções

esboços

estórias

interiores

leituras

notícias do casino

outros olhares

peanuts

rural

todas as tags

Arquivos