Segunda-feira, 3 de Dezembro de 2007

Laxness

“(…) Einer de Undirhlío era, por sua vez, crítico do mundo, e geralmente escrevia sobre os homens quando morriam, e buscava conforto na fé cristã, que ele pressupunha ser mais favorável aos agricultores numa outra vida do que nesta.(..)”
Halldór Laxness, in Gente Independente
 
(Ao ler Gente Independente - vou só no início, o fim ainda está a quase 400 páginas -, lembrei-me de repente de Torga, mas mais do que todos os outros, de Steinbeck e daquelas duas páginas finais de A Um Deus Desconhecido, que durante 30 anos me ficaram na memória - tenho o mau hábito de datar os livros e de os sublinhar. De facto, as mãos mortais do Alma Grande ou os filhos da Mariana (só dela!), em Torga, a angústia do padre perante a eminência da tempestade depois de anos de seca “vão despir a roupa toda (…) e rebolar-se na lama. Vão chafurdar na lama como porcos”, de Steinbeck, são pedaços de um conjunto que se vai construindo e crescendo perante uma única certeza: “os nossos efeitos são a única evidência da nossa vida”, tudo o resto é um imenso e tosco desenho de emoções que se vão construindo e destruindo sobre um pedaço de terra que meigamente nos vigia, e nos espera.
Os livros que têm os agricultores e as comunidades rurais como protagonistas, acabam sempre por revelar uma enorme rudeza e crueldade na abordagem das relações entre as pessoas, ou destas com o meio. É como se tudo tivesse que começar e acabar num dado momento, com uma sofreguidão pouco adequada à imagem idílica que às vezes se tem do campo… A verdade é que é mesmo assim – há entre a terra e o homem uma cumplicidade que, de tão intensa, se torna fatal. Não haja ilusões, estes pequenos mundos só aparentemente são simples e a rudeza dos homens é apenas a expressão do verdadeiro rosto da terra. Mas é também por isso que são os mais interessantes mundos do mundo!)

publicado por Fernando Delgado às 23:55
link do post | comentar | favorito

Outubro 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30
31


pesquisar neste blog

 

arquivos

posts recentes

O inútil paciente zero

A infância...

Do lagostim à merda dos c...

Luis Sepúlveda

Abril

O pandemineiro

«Éramos felizes, mas não ...

Calma, é apenas um pouco ...

Ausência

Entre dos aguas

Piazzolla

«Tanto mar»

Fertilidade transumante

...

Notre-Dame

... à mesa do café...

Floresta/paisagem...

«Não há paisagens para se...

«A natureza deixa sempre ...

Eugénio de Andrade

«Deus e o Diabo»

... biodiversidade

Txoria Txori

A diversidade do territór...

«Tempo»

«Uma narrativa para a pai...

Guião para um filme tragi...

Guião para um filme tragi...

«... para uma geografia e...

Bertolucci

«O Bode Expiatório»

«A Invenção da paisagem»

«BBB»

wildfire

granum

A. Lobo Antunes

«Cebola crua com sal e br...

«mundos mudos» no papalag...

Steinbeck

... fogos gregos

Stefan Zweig

Hermann Hesse

«Mudar de Vida»

Os "interiores"

Função social da propried...

Word Press Photo

Contributos para uma inte...

A terra do Capuchinho Ver...

Contributos para uma inte...

«Quando vier a primavera»

tags

aprender

canções

esboços

estórias

interiores

leituras

notícias do casino

outros olhares

peanuts

rural

todas as tags

links