Quinta-feira, 12 de Abril de 2007

Existências

"(...) Nenhum acto é tão autêntico como o trabalho.
Quando queremos ser sérios e profundos dizemos que trabalhamos.
E é nesse gesto mágico e económico que se suportam os nossos sonhos.
A labuta como método de render homenagem à existência.
Culto do que não é oculto nem ficcional. (...)
 
(... e quanto me custa reproduzir estes versos de "importância" no Sísifo... Gosto do oculto e do ficcional e sobretudo não gosto do trabalho como invocação da existência... Mas são versos, posso sempre refugiar-me no seu provável sentido metafórico e tentar justificar, a mim mesmo, esta ausência cada vez mais prolongada... Que mal me sinto, tão sério e profundo que nem admito que o trabalho me impede  outras existências...)
Publicado por Fernando Delgado às 00:05
| Comentar post
Patilhar
Fernando Delgado

Pesquisar

 

Posts recentes

Stefan Zweig

Hermann Hesse

«Mudar de Vida»

Os "interiores"

Função social da propried...

Word Press Photo

Contributos para uma inte...

A terra do Capuchinho Ver...

Contributos para uma inte...

«Quando vier a primavera»

Contributos para uma inte...

Amenidades invernais

Contributos para uma inte...

A oeste nada de novo*

Lili Artic Golden, sem li...

Valha-nos deus

Tejo nauseabundo

Lobbies

Bocejos

Contributos para uma inte...

O envelhecimento é a acum...

mapas rurais

Ajustando as velas

Contrastes

Contributos para uma inte...

Tags

aprender

canções

esboços

estórias

interiores

leituras

notícias do casino

outros olhares

peanuts

rural

todas as tags

Arquivos