Domingo, 31 de Dezembro de 2006

Vazios

Há períodos em que não apetece escrever, como há outros em que não apetece ler, falar, trabalhar… É estranho, mas é mesmo assim. São espaços aparentemente vazios, em que nada nos motiva, em que tudo se resume à rotina, a esta forma ambígua de fazer sem estar e de estar sem ser. Mas há um lado prático nesta pausa intelectual: as coisas, mesmo as coisas importantes deste mundo, acabam por acontecer sem nos beliscar em demasia, como se fizessem parte da rotina, como se fossem normais e simples, como se acontecessem porque têm que acontecer. Há, assim, momentos em que a inteligência se desliga, deixando-nos em standby, numa letargia madura que se traduz em inutilidade e iniquidade social…
(… na televisão estão dois indivíduos encapuçados a colocar uma corda no pescoço de Saddam Hussein…)
É suposto que os sistemas políticos suportem actos racionais… Acaba, 2006!
Publicado por Fernando Delgado às 01:53
| Comentar post
Patilhar
Fernando Delgado

Pesquisar

 

Posts recentes

Stefan Zweig

Hermann Hesse

«Mudar de Vida»

Os "interiores"

Função social da propried...

Word Press Photo

Contributos para uma inte...

A terra do Capuchinho Ver...

Contributos para uma inte...

«Quando vier a primavera»

Contributos para uma inte...

Amenidades invernais

Contributos para uma inte...

A oeste nada de novo*

Lili Artic Golden, sem li...

Valha-nos deus

Tejo nauseabundo

Lobbies

Bocejos

Contributos para uma inte...

O envelhecimento é a acum...

mapas rurais

Ajustando as velas

Contrastes

Contributos para uma inte...

Tags

aprender

canções

esboços

estórias

interiores

leituras

notícias do casino

outros olhares

peanuts

rural

todas as tags

Arquivos