Quarta-feira, 7 de Dezembro de 2005

Os Três Mosqueteiros

A história de Alexandre Dumas - Os três Mosqueteiros - pode resumir-se assim: Em 1625, D’Artagnan, um jovem fidalgo com aspirações a mosqueteiro, chega a Paris e inadvertidamente ofende três mosqueteiros, Porthos, Athos e Aramis, o que o leva a envolver-se num empolgante duelo. No entanto, mal este começa, os quatro são atacados por guardas do Cardeal. A bravura demonstrada por D’Artagnan leva-o à amizade com os mosqueteiros e, em breve, a perigosas aventuras por terras de França e Inglaterra, com o objectivo de deitarem por terra os planos do Cardeal Richelieu e sua temível espia Milady. "Um por todos e todos por um" será então o lema destes quatro bravos heróis que juntos irão lutar corajosamente pela justiça, honra e defesa da coroa!
  
Mas há uma outra história, julgo que contada por J. L. Godard, num filme de que não me recordo o título..., não sei sequer se é de Godard... (a minha memória tem já zonas de penumbra), mas como se costuma dizer: as palavras não são minhas, roubei-as não sei onde, mas sei para que as quero! A história é mais ou menos assim: Porthos, o (mais) bruto dos três mosqueteiros, era o especialista do grupo em detonações. Usava pólvora preta, doseava bem a carga e calculava ainda melhor o tempo de espera do detonador. Acendia o rastilho e afastava-se calmamente para um lugar seguro. Fez isto centenas de vezes, com êxito. Certo dia, depois de acender o rastilho e começar a afastar-se, vá lá saber-se porquê, olhou para os pés e descobriu que caminhava porque um pé ia para a frente, enquanto o outro ficava para trás..., depois o de trás ia para a frente, enquanto o da frente ficava para trás..., isto é, descobriu que caminhar resulta de uma situação de desequilibro. Parou estupefacto a olhar para os pés, lado a lado, agora em equilibrio... Já com a bomba a detonar e a montanha a cair-lhe em cima, ainda teve tempo de articular umas palavras já moribundas: “porra, a instabilidade é a única coisa que nos mantém vivos!”
 
(Suspeito que Milady, por entre lágrimas, terá dito: “a primeira vez que pensou, morreu!”)

publicado por Fernando Delgado às 01:19
link do post | favorito
Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.


Setembro 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30


pesquisar neste blog

 

arquivos

posts recentes

Ausência

Entre dos aguas

Piazzolla

«Tanto mar»

Fertilidade transumante

...

Notre-Dame

... à mesa do café...

Floresta/paisagem...

«Não há paisagens para se...

«A natureza deixa sempre ...

Eugénio de Andrade

«Deus e o Diabo»

... biodiversidade

Txoria Txori

A diversidade do territór...

«Tempo»

«Uma narrativa para a pai...

Guião para um filme tragi...

Guião para um filme tragi...

«... para uma geografia e...

Bertolucci

«O Bode Expiatório»

«A Invenção da paisagem»

«BBB»

wildfire

granum

A. Lobo Antunes

«Cebola crua com sal e br...

«mundos mudos» no papalag...

Steinbeck

... fogos gregos

Stefan Zweig

Hermann Hesse

«Mudar de Vida»

Os "interiores"

Função social da propried...

Word Press Photo

Contributos para uma inte...

A terra do Capuchinho Ver...

Contributos para uma inte...

«Quando vier a primavera»

Contributos para uma inte...

Amenidades invernais

Contributos para uma inte...

A oeste nada de novo*

Lili Artic Golden, sem li...

Valha-nos deus

Tejo nauseabundo

Lobbies

tags

aprender

canções

esboços

estórias

interiores

leituras

notícias do casino

outros olhares

peanuts

rural

todas as tags

links