Segunda-feira, 26 de Dezembro de 2005

O Zé da Estina

O Zé da Estina sentou-se na pedra granítica no alto do monte, puxou da onça e da mortalha e lentamente enrolou o cigarro. Não tinha pressa, nada à volta sugeria qualquer urgência. O tempo repousava embalado na leve brisa que suavemente lhe afagava os cabelos grisalhos. Lá no fundo, o rio parecia parado, adormecido, embrulhado num azulado forte. A águia imperial dava voltas junto ao céu, apenas por dar, como se fosse aquela a sua forma de descansar. Acendeu o cigarro. Duas fumaças, um suspiro longo e o olhar fixo no horizonte. Fixo, mas perdido: “Porque buscam os homens essa coisa inútil que é o amanhã? Porque acham que o podem condicionar!..., mas o que ganham com isso? Que posso eu acrescentar a este mundo, para que regresse aqui amanhã e o sinta melhor?” Desviou o olhar para o rio. “Nada. A este mundo não posso acrescentar nada. A única maneira de fazer qualquer coisa de útil por ele, é não fazer nada. É mantê-lo assim, dentro de mim, sem mim.” Levantou-se, procurou a águia que continuava a voar em círculos, agora mais perto do céu, e começou a descer a encosta. Junto ao rio, como uma cobra que se liberta da pele inútil, tirou lentamente o fato que depositou num pequeno montículo em cima das botas, e atirou-se à água, nadando para a outra margem. Saiu da água e dirigiu-se para uma pequena cabana, meia escondida por um salgueiro. Nu, na penumbra da cabana, sentiu-se estranhamente confortável e feliz... Lá fora, na outra margem, a águia pousada junto às botas, às calças e à camisa, guardava o seu Zé da Estina, como um deus que zela pelos seus ícones. Se o luar testemunhou qualquer metamorfose, acabou por escondê-la no amanhecer do dia seguinte. A verdade, porém, é que o Zé da Estina nunca mais apareceu e a águia tem agora o hábito de pousar na pedra de granito, com o olhar vivo de sentinela fixo na cabana abandonada.
Publicado por Fernando Delgado às 00:33
| Comentar post
Patilhar
Fernando Delgado

Pesquisar

 

Posts recentes

Word Press Photo

Contributos para uma inte...

A terra do Capuchinho Ver...

Contributos para uma inte...

«Quando vier a primavera»

Contributos para uma inte...

Amenidades invernais

Contributos para uma inte...

A oeste nada de novo*

Lili Artic Golden, sem li...

Valha-nos deus

Tejo nauseabundo

Lobbies

Bocejos

Contributos para uma inte...

O envelhecimento é a acum...

mapas rurais

Ajustando as velas

Contrastes

Contributos para uma inte...

Religiões

Negro profundo

«Ninguém desce vivo de um...

Contributos para uma inte...

Recomeços

Tags

aprender

canções

esboços

estórias

interiores

leituras

notícias do casino

outros olhares

peanuts

rural

todas as tags

Arquivos