Sábado, 15 de Janeiro de 2005

Outros Olhares

 

(Rio Ocreza, Foz do Cobrão)
O que permanece daquele olhar longo e doce não é um rosto, mas um gesto que há-de vir das mãos abertas ao poente... Entre a memória, que já é passado, e o amanhã, que ainda não é coisa nenhuma, prefiro sempre este vazio prenhe em que hei-de encontrar novos gestos, novos olhares, novos rostos!... Sei que nesse vazio existe sempre um rio, pedras nuas, redondas, languidamente abraçadas a redemoinhos de água, sob um céu muito ténue de espuma que incessantemente se faz e desfaz, sem dar origem a nada... Sei que algumas pedras guardam mensagens e por isso são rugosas, agrestes, vincadas, com arestas. Nelas nascem plantas que o vento semeou, à espera do dia em que as águas rumorosas do rio lhes afaguem a memória... Até amanhã!...
Publicado por Fernando Delgado às 02:26
| Comentar post
Patilhar
Fernando Delgado

Pesquisar

 

Posts recentes

Stefan Zweig

Hermann Hesse

«Mudar de Vida»

Os "interiores"

Função social da propried...

Word Press Photo

Contributos para uma inte...

A terra do Capuchinho Ver...

Contributos para uma inte...

«Quando vier a primavera»

Contributos para uma inte...

Amenidades invernais

Contributos para uma inte...

A oeste nada de novo*

Lili Artic Golden, sem li...

Valha-nos deus

Tejo nauseabundo

Lobbies

Bocejos

Contributos para uma inte...

O envelhecimento é a acum...

mapas rurais

Ajustando as velas

Contrastes

Contributos para uma inte...

Tags

aprender

canções

esboços

estórias

interiores

leituras

notícias do casino

outros olhares

peanuts

rural

todas as tags

Arquivos