Terça-feira, 1 de Março de 2005

Paisagem

"[...]

Nelas foram surgindo os lugares, as aldeias, as cidades, as quintas, os pomares e hortas, as capelas e cruzeiros que justificaram que a paisagem primitiva de subsistência se transformasse gradualmente numa paisagem cultural. (...) A agricultura tem por fim uma meta impossível de se atingir - a da sua existência depender da competitividade dos preços - como se fosse a produção o único objectivo que justifica tão importante actividade. O nosso país, bem depressa, será um corredor industrializado entre Braga e Setúbal, onde se concentrará a população, vivendo grande parte em condições marginais infra-humanas, e um imenso ermo no interior destinado ao recreio de ricos e às monoculturas extensivas florestais se prosseguirmos na aplicação do actual modelo de desenvolvimento económico. (...) Os índices de crescimento económico deixaram de ter sentido como indicadores do bem-estar e da justiça. A morte da paisagem rural e a desumanização da cidade são diagnósticos seguros de que é necessário modificar todo o actual sistema económico e social. Um país onde a paisagem morre é um país onde a paisagem desaparece e com ela a primeira razão de ser da independência, que justifica a existência duma comunidade e da sua cultura. A degradação estética e biológica da paisagem é o diagnóstico seguro de que a comunidade, que a deveria viver, se encontra em diluição e decadência. O homem, transformado pela civilização industrial num mero instrumento de consumo, desligado do trabalho pela máquina e pelo computador, abandona a criatividade que o liberta e individualiza como pessoa. As sociedades contemporâneas, interessadas mais no ter que no ser, deixaram de entender a paisagem e de respeitar o funcionamento e a complexidade dos sistemas ecológicos.

[...]»


Paisagem. Edição da DGOTDU, 1994. Conjunto de textos de diversos autores (E. Castro Caldas, F. Caldeira Cary, André Espenica, A.A. Monteiro Alves, I. Alves de Araújo, M. Raposo de Magalhães e G. Ribeiro Telles), lidos em sobressalto. O texto citado é de G. Ribeiro Telles.

publicado por Fernando Delgado às 18:05
link do post | comentar | favorito

Outubro 2022

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


pesquisar neste blog

 

arquivos

posts recentes

Marcelo, palavras precári...

John Steinbeck

Billie Eilish

Adriano

... (quase) poeta

...às portas do crepúscul...

Adília Lopes

Um Reino Maravilhoso

O filho pródigo, segundo ...

As paisagens de Álvaro Do...

Pois!...

Dylan

Esplanadas

Mário de Sá-Carneiro

Um texto de Fernando Paul...

Yuval Noah Harari

eucalyptus deglupta

O silêncio dos livros

Cartoons

O inútil paciente zero

A infância...

Do lagostim à merda dos c...

Luis Sepúlveda

Abril

O pandemineiro

«Éramos felizes, mas não ...

Calma, é apenas um pouco ...

Ausência

Entre dos aguas

Piazzolla

tags

aprender

canções

esboços

estórias

interiores

leituras

notícias do casino

outros olhares

peanuts

rural

todas as tags

links