Terça-feira, 21 de Novembro de 2017

Negro profundo

Após a catástrofe dos fogos rurais, para além das cinzas, dos esqueletos das árvores e do negro profundo, há todo um mundo que se revela. Moldar a paisagem com todos aqueles muros de pedra empilhada à mão, não é coisa pequena, nem inteligível neste tempo de redes sociais e de realizações de curto prazo. Não, o profundo silêncio que emana daquelas encostas enlutadas são também os restos de vidas sem regresso. Restam as oliveiras moribundas como símbolos e testemunhos das heróicas histórias de cada uma dessas vidas!

IMG_9795.jpg

Encosta do rio Alvoco, junto a Vide, Oliveira do Hospital.

 

Publicado por Fernando Delgado às 00:34
| Comentar post
Patilhar
Fernando Delgado

Pesquisar

 

Posts recentes

«Deus e o Diabo»

... biodiversidade

Txoria Txori

A diversidade do territór...

«Tempo»

«Uma narrativa para a pai...

Guião para um filme tragi...

Guião para um filme tragi...

«... para uma geografia e...

Bertolucci

«O Bode Expiatório»

«A Invenção da paisagem»

«BBB»

wildfire

granum

A. Lobo Antunes

«Cebola crua com sal e br...

«mundos mudos» no papalag...

Steinbeck

... fogos gregos

Stefan Zweig

Hermann Hesse

«Mudar de Vida»

Os "interiores"

Função social da propried...

Tags

aprender

canções

esboços

estórias

interiores

leituras

notícias do casino

outros olhares

peanuts

rural

todas as tags

Arquivos