Quarta-feira, 8 de Agosto de 2012

Palco(s)

De vez em quanto votamos, elegemos uns tipos e esperamos que eles façam as coisas que prometeram. É fácil perceber que eles nunca fazem o que prometem. São mentirosos ou muito simplesmente ingénuos?

São mentirosos porque, de facto, prometeram o céu e oferecem-nos o inferno, qualquer que seja o tamanho das labaredas de cada um destes lugares. Mas acho também que alguns são sobretudo ingénuos! Ingénuos ao ponto de pensarem que o palco a que ascenderam (onde os eleitores os colocaram), é um palco de livre exercício do poder.

Não é! É um palco em que cada um representa o papel de fantoche de qualquer outro poder que os transcende. Este papel de marionette nem é novo e foi ao longo dos tempos desmontado (às vezes em situações críticas e de alguma tragédia colectiva...) e os fantoches afastados para as labaredas do ridículo. O que é novo, completamente novo, é que não se percebe quem manipula as marionettes, numa deriva dos habituais protagonistas do clássico jogo de interesses.

A pior coisa que poderia ter acontecido, aconteceu! Coexiste hoje um poder (de políticos apenas medianos, numa análise bondosa...) e um climax tecnológico. Nesta aldeia global, em que tudo acontece em simultâneo, de facto não é possível identificar "o rosto" da tragédia. Não há rosto, mas apenas uma sucessão de bites (ordens, contra-ordens e muitos milhões...) sem origem definida. É a tecnologia no seu limite. É o abstracto, a não existência, o "não rosto" como forma suprema de realidade. É a finança sem economia e, pasme-se, é a finança e a economia, sem política.

É por esta razão que olho para o palco e o que verdadeiramente me preocupa não é o actor, o político do momento, a marionette mais ou menos simpática, mais ou menos competente ou empenhada, mais ou menos inútil, mais ou menos silenciosa, mas saber se aquele palco existirá por muito tempo.

É que aquele é o palco da democracia!

 

tags:

publicado por Fernando Delgado às 00:41
link do post | comentar | favorito

Novembro 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
11
12
13
14

15
16
18
19
20
21

22
23
24
25
26
28

29
30


pesquisar neste blog

 

arquivos

posts recentes

eucalyptus deglupta

O silêncio dos livros

Cartoons

O inútil paciente zero

A infância...

Do lagostim à merda dos c...

Luis Sepúlveda

Abril

O pandemineiro

«Éramos felizes, mas não ...

Calma, é apenas um pouco ...

Ausência

Entre dos aguas

Piazzolla

«Tanto mar»

Fertilidade transumante

...

Notre-Dame

... à mesa do café...

Floresta/paisagem...

«Não há paisagens para se...

«A natureza deixa sempre ...

Eugénio de Andrade

«Deus e o Diabo»

... biodiversidade

Txoria Txori

A diversidade do territór...

«Tempo»

«Uma narrativa para a pai...

Guião para um filme tragi...

Guião para um filme tragi...

«... para uma geografia e...

Bertolucci

«O Bode Expiatório»

«A Invenção da paisagem»

«BBB»

wildfire

granum

A. Lobo Antunes

«Cebola crua com sal e br...

«mundos mudos» no papalag...

Steinbeck

... fogos gregos

Stefan Zweig

Hermann Hesse

«Mudar de Vida»

Os "interiores"

Função social da propried...

Word Press Photo

Contributos para uma inte...

tags

aprender

canções

esboços

estórias

interiores

leituras

notícias do casino

outros olhares

peanuts

rural

todas as tags

links