Quarta-feira, 8 de Agosto de 2012

Palco(s)

De vez em quanto votamos, elegemos uns tipos e esperamos que eles façam as coisas que prometeram. É fácil perceber que eles nunca fazem o que prometem. São mentirosos ou muito simplesmente ingénuos?

São mentirosos porque, de facto, prometeram o céu e oferecem-nos o inferno, qualquer que seja o tamanho das labaredas de cada um destes lugares. Mas acho também que alguns são sobretudo ingénuos! Ingénuos ao ponto de pensarem que o palco a que ascenderam (onde os eleitores os colocaram), é um palco de livre exercício do poder.

Não é! É um palco em que cada um representa o papel de fantoche de qualquer outro poder que os transcende. Este papel de marionette nem é novo e foi ao longo dos tempos desmontado (às vezes em situações críticas e de alguma tragédia colectiva...) e os fantoches afastados para as labaredas do ridículo. O que é novo, completamente novo, é que não se percebe quem manipula as marionettes, numa deriva dos habituais protagonistas do clássico jogo de interesses.

A pior coisa que poderia ter acontecido, aconteceu! Coexiste hoje um poder (de políticos apenas medianos, numa análise bondosa...) e um climax tecnológico. Nesta aldeia global, em que tudo acontece em simultâneo, de facto não é possível identificar "o rosto" da tragédia. Não há rosto, mas apenas uma sucessão de bites (ordens, contra-ordens e muitos milhões...) sem origem definida. É a tecnologia no seu limite. É o abstracto, a não existência, o "não rosto" como forma suprema de realidade. É a finança sem economia e, pasme-se, é a finança e a economia, sem política.

É por esta razão que olho para o palco e o que verdadeiramente me preocupa não é o actor, o político do momento, a marionette mais ou menos simpática, mais ou menos competente ou empenhada, mais ou menos inútil, mais ou menos silenciosa, mas saber se aquele palco existirá por muito tempo.

É que aquele é o palco da democracia!

 

Tags:
Publicado por Fernando Delgado às 00:41
| Comentar post
Patilhar
Fernando Delgado

Pesquisar

 

Posts recentes

Stefan Zweig

Hermann Hesse

«Mudar de Vida»

Os "interiores"

Função social da propried...

Word Press Photo

Contributos para uma inte...

A terra do Capuchinho Ver...

Contributos para uma inte...

«Quando vier a primavera»

Contributos para uma inte...

Amenidades invernais

Contributos para uma inte...

A oeste nada de novo*

Lili Artic Golden, sem li...

Valha-nos deus

Tejo nauseabundo

Lobbies

Bocejos

Contributos para uma inte...

O envelhecimento é a acum...

mapas rurais

Ajustando as velas

Contrastes

Contributos para uma inte...

Tags

aprender

canções

esboços

estórias

interiores

leituras

notícias do casino

outros olhares

peanuts

rural

todas as tags

Arquivos