Sexta-feira, 20 de Abril de 2012

Depois do ontem

(e depois do ontem)

De vez em quanto volto aqui, é verdade que cada vez menos, mas há muito, muito tempo... Não é o lugar, que nem sequer existe, mas as palavras que me impelem neste tropismo insconsciente. E como é bom regressar às palavras, ao provisório, ao que é só meu por instantes, mesmo sabendo que são pedaços roubados sabe-se lá onde. A memória é um vão de escada cheio dessas coisas roubadas, algumas partilhadas, outras esquecidas, a maioria inúteis. Estão ali, no vão de escada, acessíveis a todos os que passam, apenas dependentes de um olhar ou de um gesto.

 

(o mundo aconhegado no seu egoísmo)

Não sinto qualquer angústia pela indiferença, pelo passar por aqui sem deixar rasto. O homem é provavelmente o único animal com capacidade de rejeição - as coisas funcionam assim, há que ser realista -, mas a ausência perturba-me. O vazio não é um lugar, não é uma palavra, não é um gesto ou um olhar, é nada. Assim, sem mais.

 

(é o vento e alguma chuva?)

Longe, longe deste frenético quotidiano de coisas aparentemente sérias, mas de duvidosa utilidade e que nos põem cada vez mais longe de nós próprios. Num mundo cheio de urgências, de necessidades injustificadas, de solicitações incompreensíveis é preciso reaprender a sermos justos connosco próprios. É uma questão de auto-estima.

  

(aqueles passos apressados na rua significam o quê?)

E esta página em branco que de repente me fez remexer no lixo do vão de escada à procura de um pedaço amarrotado de memória. Como é bom regressar às palavras!


publicado por Fernando Delgado às 01:03
link do post | favorito
Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.


Maio 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
22
23
24
25

26
27
28
29
30
31


pesquisar neste blog

 

arquivos

posts recentes

«Tanto mar»

Fertilidade transumante

...

Notre-Dame

... à mesa do café...

Floresta/paisagem...

«Não há paisagens para se...

«A natureza deixa sempre ...

Eugénio de Andrade

«Deus e o Diabo»

... biodiversidade

Txoria Txori

A diversidade do territór...

«Tempo»

«Uma narrativa para a pai...

Guião para um filme tragi...

Guião para um filme tragi...

«... para uma geografia e...

Bertolucci

«O Bode Expiatório»

«A Invenção da paisagem»

«BBB»

wildfire

granum

A. Lobo Antunes

«Cebola crua com sal e br...

«mundos mudos» no papalag...

Steinbeck

... fogos gregos

Stefan Zweig

Hermann Hesse

«Mudar de Vida»

Os "interiores"

Função social da propried...

Word Press Photo

Contributos para uma inte...

A terra do Capuchinho Ver...

Contributos para uma inte...

«Quando vier a primavera»

Contributos para uma inte...

Amenidades invernais

Contributos para uma inte...

A oeste nada de novo*

Lili Artic Golden, sem li...

Valha-nos deus

Tejo nauseabundo

Lobbies

Bocejos

Contributos para uma inte...

O envelhecimento é a acum...

tags

aprender

canções

esboços

estórias

interiores

leituras

notícias do casino

outros olhares

peanuts

rural

todas as tags

links