Quarta-feira, 25 de Janeiro de 2012

Zafón

«[...] No outro dia vi uma menina que corria pela rua com um giz na mão deixando o rasto de uma linha na parede e tive a impessão de que, aos cinco anos, descobrira o sentido da vida. [...]»

 

Carlos Ruiz Zafón no prólogo de O Principe da Neblina. Planeta, 1ª ed., pp 11.

tags:

publicado por Fernando Delgado às 00:32
link do post | comentar | favorito

Abril 2022

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
20
21
22
23

24
26
27
28
29
30


pesquisar neste blog

 

arquivos

posts recentes

Adriano

... (quase) poeta

...às portas do crepúscul...

Adília Lopes

Um Reino Maravilhoso

O filho pródigo, segundo ...

As paisagens de Álvaro Do...

Pois!...

Dylan

Esplanadas

Mário de Sá-Carneiro

Um texto de Fernando Paul...

Yuval Noah Harari

eucalyptus deglupta

O silêncio dos livros

Cartoons

O inútil paciente zero

A infância...

Do lagostim à merda dos c...

Luis Sepúlveda

Abril

O pandemineiro

«Éramos felizes, mas não ...

Calma, é apenas um pouco ...

Ausência

Entre dos aguas

Piazzolla

«Tanto mar»

Fertilidade transumante

...

tags

aprender

canções

esboços

estórias

interiores

leituras

notícias do casino

outros olhares

peanuts

rural

todas as tags

links