Segunda-feira, 8 de Agosto de 2011

Hermann Hesse

«[…]

         Ficará para sempre na minha memória a imagem das caudas dos pavões brilhando nas árvores altas ao luar, e das sereias resplandecendo numa doçura prateada ao emergirem das águas, à beira-mar sombreada entre os rochedos. E de como, solitariamente, sob o castanheiro junto da fonte, o magro Dom Quixote estava de primeira sentinela da noite, enquanto os últimos foguetes do fogo-de-artifício caíam tão suavemente na noite de luar e o meu colega Pablo, coroado de rosas, tocava a charamela para as raparigas.

         Ah, qual de nós teria imaginado que o círculo mágico se iria quebrar em tão pouco tempo. Que quase todos nós – e também eu, também eu! – nos iríamos tornar a perder nos ermos monótonos da realidade rotineira e rotulada, curvando-se, como funcionários públicos e empregados de balcão depois de uma patuscada ou de um passeio de domingo, nova e insipidamente no dia-a-dia do trabalho!

[…]»

 

Herman Hesse in Viagem ao País da Manhã. Cavalo de Ferro, 1ª ed., pp 26-27.

Tags:
Publicado por Fernando Delgado às 00:33
| Comentar post
Patilhar
Fernando Delgado

Pesquisar

 

Posts recentes

«Tempo»

«Uma narrativa para a pai...

Guião para um filme tragi...

Guião para um filme tragi...

«... para uma geografia e...

Bertolucci

«O Bode Expiatório»

«A Invenção da paisagem»

«BBB»

wildfire

granum

A. Lobo Antunes

«Cebola crua com sal e br...

«mundos mudos» no papalag...

Steinbeck

... fogos gregos

Stefan Zweig

Hermann Hesse

«Mudar de Vida»

Os "interiores"

Função social da propried...

Word Press Photo

Contributos para uma inte...

A terra do Capuchinho Ver...

Contributos para uma inte...

Tags

aprender

canções

esboços

estórias

interiores

leituras

notícias do casino

outros olhares

peanuts

rural

todas as tags

Arquivos