Domingo, 13 de Março de 2011

"Geração à rasca"

(Foto da internet)

 

Depois de ouvir e ler dezenas de comentários sobre a manifestação da geração à rasca, confesso um enorme desconforto face a alguns comentadores mais ou menos conhecidos.

Importa-me muito pouco que alguns desses comentários tenham algum fundamento, simplesmente porque partem do pressuposto de que qualquer acção está, ou devia estar, sempre associada à razão. E não é verdade. Agir depende da vontade, individual ou colectiva. A razão resulta de um processo de depuração de pormenores. A razão é o futuro que olhará este presente, isto é, é relativamente inútil no momento de formação da vontade de agir, sobretudo quando se trata de grupos heterogéneos, dificilmente catalogáveis…

Sejamos claros: importante, não é saber o que realmente querem ou não querem estes manifestantes; importante não é saber se a sua acção, a sua vontade de sair à rua, resultou de um processo político concertado; importante não é saber quem está por detrás desta manifestação; importante não é catalogar estes milhares de pessoas… Importante é reconhecer que existe gente, muita gente, disposta a agir, a sair para a rua e dizer o que lhe vai na alma…

É tão bom ouvir alguém dizer “eu existo, estou aqui!”. Porquê esta aversão dos comentadores a quem simplesmente não se conforma? Ainda por cima de uma forma pacífica, exemplarmente pacífica e democrática. É por não apresentarem alternativas ou soluções? Mas, ó génios palradores bem pagos, vocês têm alternativas ou soluções?

Acho que a maioria dos comentadores das “nossas” televisões está irremediavelmente velha. E burguesa, no sentido ideológico que esta expressão tinha nos tempos em que também iam a manifestações, sem apresentarem alternativas ou soluções, como é bom de ver…

tags:

publicado por Fernando Delgado às 23:24
link do post | comentar | favorito

Maio 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
22
23
24
25

26
27
28
29
30
31


pesquisar neste blog

 

arquivos

posts recentes

«Tanto mar»

Fertilidade transumante

...

Notre-Dame

... à mesa do café...

Floresta/paisagem...

«Não há paisagens para se...

«A natureza deixa sempre ...

Eugénio de Andrade

«Deus e o Diabo»

... biodiversidade

Txoria Txori

A diversidade do territór...

«Tempo»

«Uma narrativa para a pai...

Guião para um filme tragi...

Guião para um filme tragi...

«... para uma geografia e...

Bertolucci

«O Bode Expiatório»

«A Invenção da paisagem»

«BBB»

wildfire

granum

A. Lobo Antunes

«Cebola crua com sal e br...

«mundos mudos» no papalag...

Steinbeck

... fogos gregos

Stefan Zweig

Hermann Hesse

«Mudar de Vida»

Os "interiores"

Função social da propried...

Word Press Photo

Contributos para uma inte...

A terra do Capuchinho Ver...

Contributos para uma inte...

«Quando vier a primavera»

Contributos para uma inte...

Amenidades invernais

Contributos para uma inte...

A oeste nada de novo*

Lili Artic Golden, sem li...

Valha-nos deus

Tejo nauseabundo

Lobbies

Bocejos

Contributos para uma inte...

O envelhecimento é a acum...

tags

aprender

canções

esboços

estórias

interiores

leituras

notícias do casino

outros olhares

peanuts

rural

todas as tags

links