Sexta-feira, 25 de Setembro de 2015

ventriloquos

Sempre pensei que a mentira é fugaz e que, mais cedo do que tarde, acabará sempre por esboroar-se em coisa nenhuma. Odeio a mentira, por várias razões racionais, mas também por uma questão puramente prática: a mentira é muito mais difícil de sustentar do que a verdade, por mais dolorosa e crua que esta seja.

Era assim. Desde alguns anos para cá, que esta convicção tende a esvanecer-se. De facto a mentira pública ou privada, com efeitos sociais ou apenas com reflexos particulares, tornou-se num modo de vida de muita gente. A pequenina mentira, a mentirinha inocente, ingénua e hipócrita, a meia-verdade que apenas utiliza parte dos factos e as inverdades que nem sequer têm qualquer sustentação, fazem parte do manual prático usado pelos pequenos agentes políticos devidamente encartados e acartonados.

A proliferação destes ventríloquos de palavras ocas é tão grande que temo que chegue o dia em que todos vamos ter que desmentir a velha frase de Abraham Lincoln: «Pode-se enganar todos por algum tempo; pode-se enganar alguns por todo o tempo; não se pode enganar todos por todo o tempo.»

 

Tags:
Publicado por Fernando Delgado às 00:29
| Comentar post
Patilhar
Fernando Delgado

Pesquisar

 

Posts recentes

mapas rurais

Ajustando as velas

Contrastes

Religiões

Negro profundo

«Ninguém desce vivo de um...

Recomeços

«Custo social dos incêndi...

Sinais

Recoleção

Domesticação...

"geografia das ausências"

Galerias ripícolas

do res nulius ao black ac...

A case of you

Assimetrias

J. Fanha

Eduardo Mendoza

«o pregador de verdades d...

Belos dias

A Gente Vai Continuar

Talamou

Dylon

«A realidade é uma opiniã...

«Human»

Tags

aprender

canções

estórias

interiores

leituras

notícias do casino

outros olhares

peanuts

pintura

rural

todas as tags

Arquivos