Domingo, 21 de Fevereiro de 2016

Umberto Eco

A adaptação de livros ao cinema tem uma longa história, mas lembro-me de poucos exemplos em que esta ligação tenha resultado num final feliz. O Nome da Rosa é provavelmente um destes raros exemplos.

Entre o livro, o filme (de Jean-Jacques Annaud), e uma representação teatral, que há uns anos vi no Convento de Cristo em Tomar, ainda é este último que mais retenho na memória.

(Umberto Eco morreu. Não gosto de obituários, mas há personalidades que são incontornáveis e por isso aqui fica esta nota..., como complemento de outras: ver aquiaqui e aqui.)

 

Tags:
Publicado por Fernando Delgado às 00:05
| Comentar post
Patilhar
Fernando Delgado

Pesquisar

 

Posts recentes

«Human»

Outono

MEC sobre Trump

À espera de Godot

De Niro, sem maquilhagem

Guterres

Arturo Pérez-Reverte

Achamentos na Costa Vicen...

(Gente) sinistro(a)

«Someday this war's gonna...

BREXIT (adenda)

Brexit

Carla Bley

A Seiva da Raíz

Regresso à «Tabacaria»

Abril

... às portas do casino

a força da canção ao vivo...

O casino!...

Retrospectivas

Avec les temps...

Escravatura...

Umberto Eco

As ondas do Albert

Volta-de-lua

Tags

aprender

canções

estórias

interiores

leituras

notícias do casino

outros olhares

peanuts

pintura

rural

todas as tags

Arquivos