Quinta-feira, 22 de Janeiro de 2015

Συνασπισμός Ριζοσπαστικής Αριστεράς (SYRIZA)

Tenho pena de não ter um retsina para abrir no domingo (ainda vou ver se encontro!...) e saborear o odor a resina como quem saboreia o corpo da mudança. Se calhar não vai acontecer nada disto e se acontecer, no fim (uns anos depois) tudo estará na mesma. Mas há uma coisa que eu sei por vivência própria: os tempos de mudança e de ruptura são os únicos que verdadeiramente interessam, que verdadeiramente nos motivam, que de facto nos incluem. O resto, o enorme interlúdio entre estes momentos, não passa de um espesso e penoso tédio (por alguma razão a história ignora estes buracos negros de coisa nenhuma).

Nem sei bem quem são os dirigentes do Syriza, ou o que querem. Sei algumas coisas que não querem e isso, por agora, chega - em determinadas situações, o único acto que conta é o murro na mesa. É este o momento!

Tags:
Publicado por Fernando Delgado às 23:47
| Comentar post
Patilhar
Fernando Delgado

Pesquisar

 

Posts recentes

«Human»

Outono

MEC sobre Trump

À espera de Godot

De Niro, sem maquilhagem

Guterres

Arturo Pérez-Reverte

Achamentos na Costa Vicen...

(Gente) sinistro(a)

«Someday this war's gonna...

BREXIT (adenda)

Brexit

Carla Bley

A Seiva da Raíz

Regresso à «Tabacaria»

Abril

... às portas do casino

a força da canção ao vivo...

O casino!...

Retrospectivas

Avec les temps...

Escravatura...

Umberto Eco

As ondas do Albert

Volta-de-lua

Tags

aprender

canções

estórias

interiores

leituras

notícias do casino

outros olhares

peanuts

pintura

rural

todas as tags

Arquivos