Quinta-feira, 22 de Janeiro de 2015

Συνασπισμός Ριζοσπαστικής Αριστεράς (SYRIZA)

Tenho pena de não ter um retsina para abrir no domingo (ainda vou ver se encontro!...) e saborear o odor a resina como quem saboreia o corpo da mudança. Se calhar não vai acontecer nada disto e se acontecer, no fim (uns anos depois) tudo estará na mesma. Mas há uma coisa que eu sei por vivência própria: os tempos de mudança e de ruptura são os únicos que verdadeiramente interessam, que verdadeiramente nos motivam, que de facto nos incluem. O resto, o enorme interlúdio entre estes momentos, não passa de um espesso e penoso tédio (por alguma razão a história ignora estes buracos negros de coisa nenhuma).

Nem sei bem quem são os dirigentes do Syriza, ou o que querem. Sei algumas coisas que não querem e isso, por agora, chega - em determinadas situações, o único acto que conta é o murro na mesa. É este o momento!

Tags:
Publicado por Fernando Delgado às 23:47
| Comentar post
Patilhar
Fernando Delgado

Pesquisar

 

Posts recentes

mapas rurais

Ajustando as velas

Contrastes

Religiões

Negro profundo

«Ninguém desce vivo de um...

Recomeços

«Custo social dos incêndi...

Sinais

Recoleção

Domesticação...

"geografia das ausências"

Galerias ripícolas

do res nulius ao black ac...

A case of you

Assimetrias

J. Fanha

Eduardo Mendoza

«o pregador de verdades d...

Belos dias

A Gente Vai Continuar

Talamou

Dylon

«A realidade é uma opiniã...

«Human»

Tags

aprender

canções

estórias

interiores

leituras

notícias do casino

outros olhares

peanuts

pintura

rural

todas as tags

Arquivos