Sexta-feira, 14 de Junho de 2013

Sousa Tavares

«[…]

         Quando ela se foi, o padre Anselmo andaria pelos seus quarenta e tal anos, e continuou a exercer o seu sacerdócio por Medronhais e aldeias vizinhas da serra, aqui e além ungindo de Deus outras paroquianas tão devassas quanto a minha frustrada professora Fátima. Nada, porém, que as condenasse ao apedrejamento: felizmente, já não somos mouros, mas sim cristãos, e dizia-se que mulher manchada por padre é manchada por Deus. Essa foi a primeira lição que aprendi: o pecado depende do sujeito, não do predicado.

[…]»

Miguel Sousa Tavares in Madrugada Suja. Clube do Autor, 1ª ed., pp 34.

 

 

(...para além disto..., gosto muito das crónicas de S. Tavares. Das crónicas, dos contos, dos "quase romance"..., do Não te Deixarei Morrer David Crockett, do Sul do No Teu Deserto.  Gosto muito pouco, ou não gosto mesmo nada, dos romances, dos "grandes" romaces... Até me apetece dizer porquê, mas também não quero ser injusto: escrever dá muito trabalho e há que aprender a ler mesmo os livros que rapidamente se arrumam na estante e a que não se regressa mais...)

Tags:
Publicado por Fernando Delgado às 23:28
| Comentar post
Patilhar
Fernando Delgado

Pesquisar

 

Posts recentes

«Human»

Outono

MEC sobre Trump

À espera de Godot

De Niro, sem maquilhagem

Guterres

Arturo Pérez-Reverte

Achamentos na Costa Vicen...

(Gente) sinistro(a)

«Someday this war's gonna...

BREXIT (adenda)

Brexit

Carla Bley

A Seiva da Raíz

Regresso à «Tabacaria»

Abril

... às portas do casino

a força da canção ao vivo...

O casino!...

Retrospectivas

Avec les temps...

Escravatura...

Umberto Eco

As ondas do Albert

Volta-de-lua

Tags

aprender

canções

estórias

interiores

leituras

notícias do casino

outros olhares

peanuts

pintura

rural

todas as tags

Arquivos