Sexta-feira, 10 de Abril de 2015

Miró

joan-miro-the-red-sun.jpg

«[...]

O Ministério Público (MP) pede a condenação de todos os envolvidos no processo da venda das 85 obras de Miró do ex-Banco Português de Negócios (BPN) e a impugnação do arquivamento da classificação da colecção, segundo as acções interpostas.

O Ministério das Finanças, o secretário de Estado da Cultura, o director-geral do Património Cultural, as sociedades Parvalorem e Parup's assim como a leiloeira Christie's são visadas numa das acções; a segunda acção pede a impugnação do arquivamento da classificação das obras. [...]»

Ler notícia completa aqui.

 

Daqui a uns anos (poucos, muito poucos!...) ninguém sabe quem são os cinzentões que estiveram por detrás deste negócio, mas Miró e as suas obras continuarão por muitos, muitos anos... É esta perenidade, esta chatice de quase eternidade de umas telas coloridas, escandalosamente simples e também por isso só ao alcance de alguns, que é insuportável para quem se acha muito importante e que afinal não passa de um idiota cheio de poder como um balão cheio de ar...

Como de costume, isto não vai dar em nada. Também já não importa!

 

Tags:
Publicado por Fernando Delgado às 01:28
| Comentar post
Patilhar
Fernando Delgado

Pesquisar

 

Posts recentes

mapas rurais

Ajustando as velas

Contrastes

Religiões

Negro profundo

«Ninguém desce vivo de um...

Recomeços

«Custo social dos incêndi...

Sinais

Recoleção

Domesticação...

"geografia das ausências"

Galerias ripícolas

do res nulius ao black ac...

A case of you

Assimetrias

J. Fanha

Eduardo Mendoza

«o pregador de verdades d...

Belos dias

A Gente Vai Continuar

Talamou

Dylon

«A realidade é uma opiniã...

«Human»

Tags

aprender

canções

estórias

interiores

leituras

notícias do casino

outros olhares

peanuts

pintura

rural

todas as tags

Arquivos