Sexta-feira, 22 de Janeiro de 2016

mim

Não, não sou poeta! As palavras são duras, cheias de arestas e limito-me a colocá-las ao lado da intransigência dos sentidos, sem o necessário polimento da memória - roubo-as não sei onde (minto propositadamente - às vezes sei e também sei para que as quero!) e com mãos inseguras atiro-as como pedras lançadas aos pássaros (acerta, não acerta?!, normalmente não acerta, mas nem isso é importante).

Não, não sou pintor! Espalho tintas sobre telas como quem atira água sobre rosas brancas à espera que se tornem vermelhas (muitas vezes consigo perceber um ligeiro e inesperado perfume, mas as rosas brancas continuam brancas...). Às vezes as cores e os perfumes surpreendem-me, mas só eu posso perceber isso, o que nunca chega para tornar uma tela colorida numa pintura.

Não, não sou fotógrafo! Apontar e disparar não é suficiente para captar a realidade e muito menos percebê-la (a luz nem sempre me ajuda a ver melhor).

Sim, sou um leitor de mil palavras, um ouvinte de algumas canções e um apreciador de muitos vinhos (sim, e tintos de preferência). Sim, gosto da espuma dos dias (sim, sim, gosto de coisas inúteis). E do silêncio, e da solidão…

Sim, sou pescador e já fui caçador (a morte é desinteressante, mas só agora descobri isso).

(A que propósito escrevo eu sobre mim?)

 

Publicado por Fernando Delgado às 01:25
| Comentar post
Patilhar
Fernando Delgado

Pesquisar

 

Posts recentes

mapas rurais

Ajustando as velas

Contrastes

Religiões

Negro profundo

«Ninguém desce vivo de um...

Recomeços

«Custo social dos incêndi...

Sinais

Recoleção

Domesticação...

"geografia das ausências"

Galerias ripícolas

do res nulius ao black ac...

A case of you

Assimetrias

J. Fanha

Eduardo Mendoza

«o pregador de verdades d...

Belos dias

A Gente Vai Continuar

Talamou

Dylon

«A realidade é uma opiniã...

«Human»

Tags

aprender

canções

estórias

interiores

leituras

notícias do casino

outros olhares

peanuts

pintura

rural

todas as tags

Arquivos