Sexta-feira, 24 de Abril de 2015

Mar

IMG_8436.jpg

(Canon EOS 400D; Sigma 18-200 mm; 1/125 s; f/25; ISO 200; 125 mm)

 

Até onde se esconde aquela língua de areia adormecida nas ondas?

(Dizem-me que a felicidade é viver a vida, não é alcançar o que se quer.)

Eu escuto o sussurrar das ondas, observando o lento desfazer da areia numa espuma muito branca que, embrulhando-se em si própria, desaparece lentamente. Em pouco tempo só há mar, só há ondas, só há agitação. Só há vida, sem ontem ou amanhã.

 

Publicado por Fernando Delgado às 01:22
| Comentar post
Patilhar
Fernando Delgado

Pesquisar

 

Posts recentes

«Human»

Outono

MEC sobre Trump

À espera de Godot

De Niro, sem maquilhagem

Guterres

Arturo Pérez-Reverte

Achamentos na Costa Vicen...

(Gente) sinistro(a)

«Someday this war's gonna...

BREXIT (adenda)

Brexit

Carla Bley

A Seiva da Raíz

Regresso à «Tabacaria»

Abril

... às portas do casino

a força da canção ao vivo...

O casino!...

Retrospectivas

Avec les temps...

Escravatura...

Umberto Eco

As ondas do Albert

Volta-de-lua

Tags

aprender

canções

estórias

interiores

leituras

notícias do casino

outros olhares

peanuts

pintura

rural

todas as tags

Arquivos