Sexta-feira, 24 de Abril de 2015

Mar

IMG_8436.jpg

(Canon EOS 400D; Sigma 18-200 mm; 1/125 s; f/25; ISO 200; 125 mm)

 

Até onde se esconde aquela língua de areia adormecida nas ondas?

(Dizem-me que a felicidade é viver a vida, não é alcançar o que se quer.)

Eu escuto o sussurrar das ondas, observando o lento desfazer da areia numa espuma muito branca que, embrulhando-se em si própria, desaparece lentamente. Em pouco tempo só há mar, só há ondas, só há agitação. Só há vida, sem ontem ou amanhã.

 

Publicado por Fernando Delgado às 01:22
| Comentar post
Patilhar
Fernando Delgado

Pesquisar

 

Posts recentes

Ajustando as velas

Contrastes

Religiões

Negro profundo

«Ninguém desce vivo de um...

Recomeços

«Custo social dos incêndi...

Sinais

Recoleção

Domesticação...

"geografia das ausências"

Galerias ripícolas

do res nulius ao black ac...

A case of you

Assimetrias

J. Fanha

Eduardo Mendoza

«o pregador de verdades d...

Belos dias

A Gente Vai Continuar

Talamou

Dylon

«A realidade é uma opiniã...

«Human»

Outono

Tags

aprender

canções

estórias

interiores

leituras

notícias do casino

outros olhares

peanuts

pintura

rural

todas as tags

Arquivos