Sábado, 23 de Agosto de 2014

Kandinsky

Wassily Kandinsky. "Gelb, Rot, Blau" (1925). 

 

«[…]

         Um edifício de grandes, muito grandes, de pequenas ou médias dimensões, dividido em salas. As paredes das salas ocultas sob telas pequenas, grandes ou médias, por vezes alguns milhares de telas. Através da cor, pedaços da “natureza” são reproduzidos: animais iluminados ou na sombra, sobre a erva ou junto à água; ao lado, um Cristo na cruz representado por um pintor que não é crente; flores, figuras humanas sentadas, de pé, caminhando, por vezes nuas, uma multidão de mulheres nuas (frequentemente em apontamentos breves e vistas de costas), maçãs e bandejas de prata (…).Tudo isto cuidadosamente impresso num livro: nomes dos artistas, títulos dos quadros. As pessoas, com o livro na mão, passeiam-se de uma tela para a outra; folheiam-no e lêem os nomes. Depois, retiram-se tão ricas ou tão pobres como quando entraram, e imediatamente são reabsorvidos pelas suas preocupações tão alheias à arte. Que vieram aqui fazer?

[…]»

Wassily Kandinsky. Do Espiritual na Arte. D. Quixote, 8ª ed., pp 23-24.

 

 

Tags:
Publicado por Fernando Delgado às 01:34
| Comentar post
Patilhar
Fernando Delgado

Pesquisar

 

Posts recentes

«Ninguém desce vivo de um...

Recomeços

«Custo social dos incêndi...

Sinais

Recoleção

Domesticação...

"geografia das ausências"

Galerias ripícolas

do res nulius ao black ac...

A case of you

Assimetrias

J. Fanha

Eduardo Mendoza

«o pregador de verdades d...

Belos dias

A Gente Vai Continuar

Talamou

Dylon

«A realidade é uma opiniã...

«Human»

Outono

MEC sobre Trump

À espera de Godot

De Niro, sem maquilhagem

Guterres

Tags

aprender

canções

estórias

interiores

leituras

notícias do casino

outros olhares

peanuts

pintura

rural

todas as tags

Arquivos