Sábado, 23 de Fevereiro de 2013

... "da" gralha

Proposta de Lei n.º 4/X

Artigo 3.º

Limitação dos mandatos dos presidentes dos órgãos executivos das autarquias locais

1 -   O presidente da câmara municipal e o presidente da junta de freguesia não podem ser reeleitos para um quarto mandato consecutivo, nem assumir aquelas funções durante o quadriénio imediatamente subsequente ao termo do terceiro mandato consecutivo.

2 -   No caso de renúncia ao mandato, os membros dos órgãos referidos no número anterior não podem candidatar-se nas eleições imediatas nem nas que se realizem no quadriénio imediatamente subsequente à renúncia.

(Proposta de Lei que deu origem à Lei 46/2005, de 29 de Agosto)

 

Sua Excelência, Senhor Presidente, curvo-me perante o rigor do seu trabalho. Curvo-me perante a minuciosidade com que avalia tudo em seu redor, desde a gelha no canto do pano da bandeira à troca de um "da" por um "de" numa lei com 8 anos. Curvo-me perante a exigência, a transparência e, sobretudo, o desprendimento que coloca nas suas funções ao tornar pública tão importante descoberta. 

Mas, colocando as reverências de lado, Sr. Presidente, deixe-me perguntar-lhe, e desculpe o plebeísmo, não tem mais nada que fazer? Ou melhor, os seus serviços e colaboradores e assessores não têm mais nada com que se preocupar (o Gaspar, outro plebeísmo, mas agora sem desculpas, enganou-se na previsão do deficit em 100%...)? Ou ainda, acha que quem lhe enviou a mensagem (apesar de tudo ainda acredito que não ande de lupa a vasculhar o DR) o fez num acto de cidadania?

Ó Sr. Presidente, nunca se perguntou a si mesmo porque é que as poucas decisões jurídicas (ou serão judiciais? – esta pergunta é deliberada para saber que não sou bom nesta matéria…) que acontecem neste país nunca se baseiam nos factos? Têm sempre como base o “embrulho”: o “da” que foi trocado pelo “de”; o papel que falta ou que está a mais; o regulamento de qualquer coisa que uns anos depois não se aplica a essa coisa porque tem um artigo 13 escrito em arial e o título do regulamento está escrito em times new roman; o vídeo sem autorização prévia de gravação que não serve de prova de que o morto morreu; a prova que serve de prova mas foi gravada em mono quando devia ser em stereo e nã permite identificar se os lábios que proferiram as palavras pertencem áquela boca,ou que é transcrita numa letra feminina inclinada para a frente, o que não é normal (todas as caligrafias femininas são redondas), deixando de ser prova, assim como um amigo que é atropelado e deixa de ser homem (não deixa de ser amigo porque essa condição ainda não vai a tribunal!)?

Excelência, alguma vez leu Kafka?

Senhor Presidente, Excelência (agora novamente com o máximo respeito), não sente que vive num país do faz de conta (ou num país de faz de conta - dou toda a liberdade a Vossa Excelência para escolher o do ou o de…) e que tem todas as responsabilidades nisso?

(Declaração de interesses: também não gosto de gralhas, gosto de pêgas!)

Tags:
Publicado por Fernando Delgado às 00:59
| Comentar post
Patilhar
Fernando Delgado

Pesquisar

 

Posts recentes

mapas rurais

Ajustando as velas

Contrastes

Religiões

Negro profundo

«Ninguém desce vivo de um...

Recomeços

«Custo social dos incêndi...

Sinais

Recoleção

Domesticação...

"geografia das ausências"

Galerias ripícolas

do res nulius ao black ac...

A case of you

Assimetrias

J. Fanha

Eduardo Mendoza

«o pregador de verdades d...

Belos dias

A Gente Vai Continuar

Talamou

Dylon

«A realidade é uma opiniã...

«Human»

Tags

aprender

canções

estórias

interiores

leituras

notícias do casino

outros olhares

peanuts

pintura

rural

todas as tags

Arquivos