Sexta-feira, 17 de Janeiro de 2014

Carlos V

«Carlos V, no seu túmulo em Yuste, deve ter-se rebolado de riso, ao ver atribuído a Durão Barroso um Prémio com o seu nome, celebrando simbolicamente a Europa.

(...)

Durão Barroso é o rosto deste tempo. O que há meses alguns dos principais jornais europeus escreveram sobre a sua acção política, como responsável cimeiro da União Europeia, foi arrasante, como caricatura de incapacidade e de incompetência.
É por isso que Carlos V, ele que foi imperador determinado e fazia ouvir a sua voz em todo o espaço europeu, deve estar a rebolar-se de riso. Depois, na pompa e circunstância da cerimónia de Yuste, ainda se ouviu o argumento infantil de Durão Barroso a dizer que a Europa não tem culpa da crise, fazendo lembrar aqueles garotos que, descobertos no meio da traquinice, se desculpam:
-- Não fui eu, foram eles!

[...]»

 

O Riso de Carlos V. Para uma leitura integral em Notícias do Bloqueio de Fernando Paulouro das Neves

Tags:
Publicado por Fernando Delgado às 00:36
| Comentar post
Patilhar
Fernando Delgado

Pesquisar

 

Posts recentes

mapas rurais

Ajustando as velas

Contrastes

Religiões

Negro profundo

«Ninguém desce vivo de um...

Recomeços

«Custo social dos incêndi...

Sinais

Recoleção

Domesticação...

"geografia das ausências"

Galerias ripícolas

do res nulius ao black ac...

A case of you

Assimetrias

J. Fanha

Eduardo Mendoza

«o pregador de verdades d...

Belos dias

A Gente Vai Continuar

Talamou

Dylon

«A realidade é uma opiniã...

«Human»

Tags

aprender

canções

estórias

interiores

leituras

notícias do casino

outros olhares

peanuts

pintura

rural

todas as tags

Arquivos