Sexta-feira, 17 de Janeiro de 2014

Carlos V

«Carlos V, no seu túmulo em Yuste, deve ter-se rebolado de riso, ao ver atribuído a Durão Barroso um Prémio com o seu nome, celebrando simbolicamente a Europa.

(...)

Durão Barroso é o rosto deste tempo. O que há meses alguns dos principais jornais europeus escreveram sobre a sua acção política, como responsável cimeiro da União Europeia, foi arrasante, como caricatura de incapacidade e de incompetência.
É por isso que Carlos V, ele que foi imperador determinado e fazia ouvir a sua voz em todo o espaço europeu, deve estar a rebolar-se de riso. Depois, na pompa e circunstância da cerimónia de Yuste, ainda se ouviu o argumento infantil de Durão Barroso a dizer que a Europa não tem culpa da crise, fazendo lembrar aqueles garotos que, descobertos no meio da traquinice, se desculpam:
-- Não fui eu, foram eles!

[...]»

 

O Riso de Carlos V. Para uma leitura integral em Notícias do Bloqueio de Fernando Paulouro das Neves

Tags:
Publicado por Fernando Delgado às 00:36
| Comentar post
Patilhar
Fernando Delgado

Pesquisar

 

Posts recentes

«Human»

Outono

MEC sobre Trump

À espera de Godot

De Niro, sem maquilhagem

Guterres

Arturo Pérez-Reverte

Achamentos na Costa Vicen...

(Gente) sinistro(a)

«Someday this war's gonna...

BREXIT (adenda)

Brexit

Carla Bley

A Seiva da Raíz

Regresso à «Tabacaria»

Abril

... às portas do casino

a força da canção ao vivo...

O casino!...

Retrospectivas

Avec les temps...

Escravatura...

Umberto Eco

As ondas do Albert

Volta-de-lua

Tags

aprender

canções

estórias

interiores

leituras

notícias do casino

outros olhares

peanuts

pintura

rural

todas as tags

Arquivos