Sexta-feira, 18 de Janeiro de 2013

café com cheirinho

o que verdadeiramente me preocupa não é o agricultor septuagenário que vende hortaliças na feira da Malveira, que não sabe ler nem escrever, que cabisbaixo olha as rugas das mãos -  “tenho que passar a factura de um molho de nabos e uma abóbora” -, quando unicamente quer juntar uns tostões à sua magra reforma;

nem o taberneiro da aldeia que juntou uns cobres em França e, voltando à sua terra, abriu uma tasca onde serve uns copos de vinho, e também umas colas, diga-se, e que por entre uns merde parisiense, balbucia - “porra!, queres a factura do quê?, com uma goela dessas nem um monte de papel higiénico chegava…" - aos clientes que não são mais que companheiros de fins de tarde, que já merece descansar, descansar da vida, já merece!;

nem o cabeleireiro que compõe vaidades em cabeças rolantes, em equilíbrios de loucura estática, como um artista de circo entre feras que rosnam inconfidências boçais - “ai querida, quer mesmo o ticket?”;

nem o senhor João, sim, senhor por extenso, do Café Central, ali bem no centro da cidade como facilmente se compreende, que não tem nenhuma dúvida – “aqui tem a sua facturinha, senhor doutor (também por extenso, agora por todos os motivos), são cinquenta e cinco cêntimos do café e cinco cêntimos do cheirinho…, mas está só o café, o cheirinho, sabe, é da casa e não tem IVA, também não servia de nada, doutor, e também ninguém precisa de saber que o senhor doutor gosta de café com cheirinho” -, sorriso malandro, mas cândido, bem educado, profissional;

nem o Zé da oficina, mãos gordas, sujas, unhas de escaravelho – “factura, com estas mãos, até lhe sujava a carteira” -, que mal sabe o que é o cheiro da terra molhada em pleno Verão, o que é não saber o que é a vida, a vida que começa, mesmo sendo mentira.

O que me preocupa é a irrelevância de tudo isto. O que me preocupa é esta doutrina do “faz de conta!”, da aparência, do justicismo bacoco. O que me preocupa é englobar estes actos, estas profissões, estas formas de vida, como integrantes da tenebrosa economia paralela. É confundir tudo. É não ter a noção de que, na maioria dos casos, não estamos em presença de economia paralela, nem sequer de economia - economia paralela é outra coisa, tem outros protagonistas, exige outros métodos, exige coragem. É admitir que tudo pode ser regulado, controlado, taxado. É admitir que estamos vigiados e o consentimos (as facturas, com identificação, permitem, se assim se entender, rastrear o nosso quotidiano!), num desprezo total pela liberdade individual.

O que me preocupa não é a incompetência de alguns. É a indiferença e o silêncio de todos os outros.

Tags:
Publicado por Fernando Delgado às 01:18
| Comentar post
Patilhar
Fernando Delgado

Pesquisar

 

Posts recentes

mapas rurais

Ajustando as velas

Contrastes

Religiões

Negro profundo

«Ninguém desce vivo de um...

Recomeços

«Custo social dos incêndi...

Sinais

Recoleção

Domesticação...

"geografia das ausências"

Galerias ripícolas

do res nulius ao black ac...

A case of you

Assimetrias

J. Fanha

Eduardo Mendoza

«o pregador de verdades d...

Belos dias

A Gente Vai Continuar

Talamou

Dylon

«A realidade é uma opiniã...

«Human»

Tags

aprender

canções

estórias

interiores

leituras

notícias do casino

outros olhares

peanuts

pintura

rural

todas as tags

Arquivos