Quinta-feira, 26 de Maio de 2016

A Seiva da Raíz

De vez em quando convidam-me para ir "falar" a alguns sítios - não é bem um convite, é uma obrigação profissional,... - e oferecem-me coisas, sempre simbólicas, mas que às vezes são boas surpresas. Ainda não cheguei ao fim, mas "A Seiva da Raiz", um livro de contos de António Arnaut, editado pela Câmara Municipal de Penela, que me foi oferecido num Seminário neste concelho, é uma boa descoberta.

Alguns textos lembram-me Miguel Torga, sem a intensidade telúrica e etnográfica deste, mas com o mesmo desespero humanista. "A Mariana" ou o "Alma Grande" só podem ser de Torga, mas "Os dois barbeiros" de Arnaut lembram-me esse tropismo angustiado no Portugal profundo.

Aqui ficam alguns excertos desse conto:

 

«Os Dois Barbeiros

(...)

     Nas aldeias perdidas no fundo das montanhas, onde o tempo parou na pedra seca das casas e nos hábitos estereotipados por séculos de abandono, a paz bucólica que tanto impressiona os visitantes citadinos, não assenta apenas na harmonia dos homens com a natureza, mas na harmonia conjugada dos habitantes. Foi esta harmonia que exigiu, por razões de sobrevivência, a repartição dos ofícios principais e a consequente eliminação de concorrência. Por isso existiu sempre em Valmatos um único alfaiate, um único sapateiro, uma única taberna e um único barbeiro.

(...)

     Ora, um dia, o destino ou o acaso - nunca se sabe que força nos guia os passos - fê-los encontrar numa curva recatada do caminho, a coberto da curiosidade da aldeia. Ao vê-la aproximar-se, com um molho de erva à cabeça e aquele andar saracoteado que tanto o perturbava, um pensamento temerário percorreu-lhe o corpo como um formigueiro. Refreou o passo e aventurou-se a sondar o passado:

     - Bons olhos te vejam, rapariga!

     Ela parou surpreendida, mas não se deu por achada:

     - E a ti também, Alfredo!

     Aquela voz alegre, a soletrar de novo o seu nome, sonora e cantante como um hino à vida, acicatou-lhe o sangue e deu corpo à ideia que tanto o atormentava. Que melhor vingança do que fazer ao outro o mesmo que lhe fizera?!

     - Sabes, Josefina, continuo a gostar de ti...

     Ela hesitou. Parecia tolhida, a respiração ofegante, os olhos pregados nos trilhos do caminho, as mãos nervosas a tactearem o carrego.

     - Vou dizer-te, Alfredo, mas que fique só entre nós, também ainda me lembro de ti...

     - Podíamos combinar um encontro para falarmos mais à vontade - sugeriu ele com voz alanceada por pensamentos contraditórios, ou justapostos, o ódio e o amor a fazerem de pedras irmãs da mesma muralha da vida.

     - Vai na quinta-feira, de madrugada, à minha sorte das Chãs - respirou fundo, a despedir-se e a vincar o segredo da mensagem - é o meu dia de rega, estaremos à vontade...

(...)

     Na quinta-feira de madrugada, mal a claridade indecisa acariciou a janela do quarto e sorriu nos seus olhos ansiosos, Alfredo levantou-se, vestiu o fato domingueiro e partiu apara a sua aventura com a emoção incontida de um adolescente que se preparasse para uma grande viagem. A viagem do Alfredo era curta, porque as Chãs ficavam a meia hora de longada, pelo vale, junto à ribeira, num sítio ermo, propício a todos os encontros. O barbeiro atravessou a aldeia, ainda adormecida, meteu pelo trilho da encosta e quando estava a meio caminho lembrou-se que não tinha trazido a bicicleta, o que sempre fazia quando ia à vila, a duas léguas de distância. Parou, a equacionar o dilema, a mulher podia desconfiar, pois não era natural que ele fizesse a suposta viagem a pé. Era alta madrugada, o sol nem sequer mandara ainda um raio extraviado a anunciar a sua chegada do outro lado da montanha. Fez um cigarro, vagarosamente, o pensamento dividido como o tempo, também indeciso, entre a fronteira da noite e do dia, e resolveu voltar a casa em passo acelerado, para trazer a bicicleta e reforçar o alibi. A aldeia dormia ainda. Só um cão insone se lhe atravessou no caminho, a ladriscar de tédio.

Alcançou a casa, no coice do lugar, entre pinheiros ainda sonolentos. Abriu cautelosamente a cancela e aporta da loja, onde estava o velocípede. Sentiu vozes abafadas, um gemer de feno acordado, o coração deu-lhe um baque, acendeu um fósforo, e à luz frouxa dos seus olhos incrédulos, viu a mulher descomposta entre os braços roliços do Petinga.»

A Seiva da Raiz. Contos. António Arnaut. Ed. da Câmara Municipal de Palmela, 2002, pp 73-80.

 

Tags:
Publicado por Fernando Delgado às 02:15
| Comentar post
Patilhar
Fernando Delgado

Pesquisar

 

Posts recentes

«Human»

Outono

MEC sobre Trump

À espera de Godot

De Niro, sem maquilhagem

Guterres

Arturo Pérez-Reverte

Achamentos na Costa Vicen...

(Gente) sinistro(a)

«Someday this war's gonna...

BREXIT (adenda)

Brexit

Carla Bley

A Seiva da Raíz

Regresso à «Tabacaria»

Abril

... às portas do casino

a força da canção ao vivo...

O casino!...

Retrospectivas

Avec les temps...

Escravatura...

Umberto Eco

As ondas do Albert

Volta-de-lua

Tags

aprender

canções

estórias

interiores

leituras

notícias do casino

outros olhares

peanuts

pintura

rural

todas as tags

Arquivos