Quarta-feira, 3 de Abril de 2013

A Rua J

Desde Guterres que somos governados por indivíduos saídos das juventudes partidárias. Aparentemente são diferentes, mas só aparentemente, e os resultados estão à vista! E nem podiam ser outros. A impreparação, o voluntarismo, o seguidismo, a ausência de pensamento próprio, a fragilidade da vivência real, a incapacidade de olhar o todo, a sofisticada mediocridade da aparência, fazem-me sempre lembrar a minúscula estátua em cima de um enorme pedestal no meio de uma praça vazia.

... a minúscula estátua em cima de um enorme pedestal no meio de uma praça vazia, ao fundo da Rua J. E uma praça só com uma rua, não é uma praça, é um beco.

A Rua J é o local de origem de uma geração no poder há mais de uma década. O seu poder depende do tamanho do pedestal, só dele! E tanto tempo, ainda falta tanto tempo para a geração se extinguir...

Tags:
Publicado por Fernando Delgado às 01:31
| Comentar post
Patilhar
Fernando Delgado

Pesquisar

 

Posts recentes

«Human»

Outono

MEC sobre Trump

À espera de Godot

De Niro, sem maquilhagem

Guterres

Arturo Pérez-Reverte

Achamentos na Costa Vicen...

(Gente) sinistro(a)

«Someday this war's gonna...

BREXIT (adenda)

Brexit

Carla Bley

A Seiva da Raíz

Regresso à «Tabacaria»

Abril

... às portas do casino

a força da canção ao vivo...

O casino!...

Retrospectivas

Avec les temps...

Escravatura...

Umberto Eco

As ondas do Albert

Volta-de-lua

Tags

aprender

canções

estórias

interiores

leituras

notícias do casino

outros olhares

peanuts

pintura

rural

todas as tags

Arquivos