Quarta-feira, 3 de Abril de 2013

A Rua J

Desde Guterres que somos governados por indivíduos saídos das juventudes partidárias. Aparentemente são diferentes, mas só aparentemente, e os resultados estão à vista! E nem podiam ser outros. A impreparação, o voluntarismo, o seguidismo, a ausência de pensamento próprio, a fragilidade da vivência real, a incapacidade de olhar o todo, a sofisticada mediocridade da aparência, fazem-me sempre lembrar a minúscula estátua em cima de um enorme pedestal no meio de uma praça vazia.

... a minúscula estátua em cima de um enorme pedestal no meio de uma praça vazia, ao fundo da Rua J. E uma praça só com uma rua, não é uma praça, é um beco.

A Rua J é o local de origem de uma geração no poder há mais de uma década. O seu poder depende do tamanho do pedestal, só dele! E tanto tempo, ainda falta tanto tempo para a geração se extinguir...

Tags:
Publicado por Fernando Delgado às 01:31
| Comentar post
Patilhar
Fernando Delgado

Pesquisar

 

Posts recentes

mapas rurais

Ajustando as velas

Contrastes

Religiões

Negro profundo

«Ninguém desce vivo de um...

Recomeços

«Custo social dos incêndi...

Sinais

Recoleção

Domesticação...

"geografia das ausências"

Galerias ripícolas

do res nulius ao black ac...

A case of you

Assimetrias

J. Fanha

Eduardo Mendoza

«o pregador de verdades d...

Belos dias

A Gente Vai Continuar

Talamou

Dylon

«A realidade é uma opiniã...

«Human»

Tags

aprender

canções

estórias

interiores

leituras

notícias do casino

outros olhares

peanuts

pintura

rural

todas as tags

Arquivos