Segunda-feira, 10 de Maio de 2010

... limpe a chaminé...

«[…]           

     - Por favor, limpe a chaminé sobre a paixão e a vida – incitou Nietzsche.

            - Uma das minhas pacientes é uma parteira – prosseguiu Breuer. – Está velha, encarquilhada, sozinha. Sofre de problemas cardíacos. Mesmo assim, está apaixonada pela vida. Certa vez, perguntei-lhe a fonte da sua paixão. Respondeu-me, então, que era o momento entre erguer um recém-nascido silente e o dar-lhe a palmada da vida. Ela renovava-se, assim dizia, pela imersão naquele momento de mistério, aquele momento entre a existência e o esquecimento.

            - E consigo, Josef? O que se passa?

            - Sou como a tal parteira! Quero estar próximo do mistério. A minha paixão por Bertha não é natural; é sobrenatural, sei disso, mas preciso de magia. Não consigo viver a preto e branco.

            - Todos precisamos de paixão, Josef – interrompeu Nietzsche. – A paixão dionisíaca é a vida. Mas a paixão tem que ser mágica e aviltante? Não haverá uma forma de dominar a paixão? Deixe-me falar sobre um monge budista que conheci o ano passado em Engadine. Vive uma vida frugal. Medita durante metade das suas horas de vigília e passa semanas sem trocar uma palavra com ninguém. A sua dieta é simples: uma única refeição por dia, aquilo que conseguir que lhe dêem, talvez apenas uma maçã. Mas medita sobre a maçã até esta prenhe de vermelhidão, de suculência e de vivacidade. Ao fim do dia, apaixonadamente, antecipa a sua refeição. A conclusão é, Josef: não precisamos de renunciar à paixão, mas temos que mudar as nossas condições para a paixão.

            Breuer concordou, com um movimento de cabeça.

            - Prossiga – exortou Nietzsche. – Limpe mais a chaminé sobre Bertha… o que significa ela para si.

            Breuer fechou os olhos.

            - Vejo-me a correr com ela. A fugir. Bertha significa fuga, fuga perigosa!

[…]»

 

Irvin D. Yalom in Quando Nietzsche Chorou. Edições Saída de Emergência.

Tags:
Publicado por Fernando Delgado às 01:18
| Comentar post
Patilhar
Fernando Delgado

Pesquisar

 

Posts recentes

mapas rurais

Ajustando as velas

Contrastes

Religiões

Negro profundo

«Ninguém desce vivo de um...

Recomeços

«Custo social dos incêndi...

Sinais

Recoleção

Domesticação...

"geografia das ausências"

Galerias ripícolas

do res nulius ao black ac...

A case of you

Assimetrias

J. Fanha

Eduardo Mendoza

«o pregador de verdades d...

Belos dias

A Gente Vai Continuar

Talamou

Dylon

«A realidade é uma opiniã...

«Human»

Tags

aprender

canções

estórias

interiores

leituras

notícias do casino

outros olhares

peanuts

pintura

rural

todas as tags

Arquivos