Quinta-feira, 18 de Fevereiro de 2010

Fernando Nobre

Segundo a TSF, parece que o Fernando Nobre se vai candidatar a Presidente da Republica. Não acredito que tal venha a acontecer, mas há uma coisa de que tenho a certeza – o mundo das aparências, das inutilidades e dos respectivos actores, que tem conduzido a politica a uma telenovela mexicana de terceira categoria, seria reduzido à sua insignificância. Mesmo que as utopias nunca ultrapassem a fase de prelúdio, numa espécie de nascimento e morte conjuntos (e estranhamente felizes…), só a ideia subjacente a esta candidatura é, apenas por si, uma pedrada neste charco conspurcado de vaidades e mediocridades ululantes…

  
(O mais irritante é passar tanto tempo sem escrever... Existem factores psicológicos que nos impedem de agir. É como se o mundo parasse, não existisse nada, ou tudo se resumisse a pedaços diários sem qualquer enquadramento lógico, sem qualquer interesse, completamente inúteis. No fundo, no fundo, o vazio é o último lugar da politica. Chega-se lá através de um ruído sibilante e continuo… O estranho, é que é muito fácil chegar lá!)
Tags:
Publicado por Fernando Delgado às 00:03
| Comentar post
Patilhar
Fernando Delgado

Pesquisar

 

Posts recentes

«Human»

Outono

MEC sobre Trump

À espera de Godot

De Niro, sem maquilhagem

Guterres

Arturo Pérez-Reverte

Achamentos na Costa Vicen...

(Gente) sinistro(a)

«Someday this war's gonna...

BREXIT (adenda)

Brexit

Carla Bley

A Seiva da Raíz

Regresso à «Tabacaria»

Abril

... às portas do casino

a força da canção ao vivo...

O casino!...

Retrospectivas

Avec les temps...

Escravatura...

Umberto Eco

As ondas do Albert

Volta-de-lua

Tags

aprender

canções

estórias

interiores

leituras

notícias do casino

outros olhares

peanuts

pintura

rural

todas as tags

Arquivos