Quinta-feira, 18 de Fevereiro de 2010

Fernando Nobre

Segundo a TSF, parece que o Fernando Nobre se vai candidatar a Presidente da Republica. Não acredito que tal venha a acontecer, mas há uma coisa de que tenho a certeza – o mundo das aparências, das inutilidades e dos respectivos actores, que tem conduzido a politica a uma telenovela mexicana de terceira categoria, seria reduzido à sua insignificância. Mesmo que as utopias nunca ultrapassem a fase de prelúdio, numa espécie de nascimento e morte conjuntos (e estranhamente felizes…), só a ideia subjacente a esta candidatura é, apenas por si, uma pedrada neste charco conspurcado de vaidades e mediocridades ululantes…

  
(O mais irritante é passar tanto tempo sem escrever... Existem factores psicológicos que nos impedem de agir. É como se o mundo parasse, não existisse nada, ou tudo se resumisse a pedaços diários sem qualquer enquadramento lógico, sem qualquer interesse, completamente inúteis. No fundo, no fundo, o vazio é o último lugar da politica. Chega-se lá através de um ruído sibilante e continuo… O estranho, é que é muito fácil chegar lá!)
Tags:
Publicado por Fernando Delgado às 00:03
| Comentar post
Patilhar
Fernando Delgado

Pesquisar

 

Posts recentes

mapas rurais

Ajustando as velas

Contrastes

Religiões

Negro profundo

«Ninguém desce vivo de um...

Recomeços

«Custo social dos incêndi...

Sinais

Recoleção

Domesticação...

"geografia das ausências"

Galerias ripícolas

do res nulius ao black ac...

A case of you

Assimetrias

J. Fanha

Eduardo Mendoza

«o pregador de verdades d...

Belos dias

A Gente Vai Continuar

Talamou

Dylon

«A realidade é uma opiniã...

«Human»

Tags

aprender

canções

estórias

interiores

leituras

notícias do casino

outros olhares

peanuts

pintura

rural

todas as tags

Arquivos