Terça-feira, 9 de Fevereiro de 2010

Francisco José Viegas

«[...]
HÁ QUANTOS ANOS PERCORRE O MESMO CAMINHO, PELA NOITE FORA, ATÉ CHEGAR AQUI? Talvez há vinte anos, desde que um futebolista morrera à porta do bar e ele viera identificá-lo e começar uma investigação sobre o Grande Inverno – o tempo das chuvas, o tempo do frio, o tempo. Desde então, quantas vezes falhara? Muitas. «Falhar, tentar de novo, fracassar melhor», era uma divisa sem nada de extraordinário, mas era a sua divisa – até não restar nada ou quase nada. Muitas vezes Rosa vinha buscá-lo e interromper uma conversa com Jorge Alonso, o dono do bar, o incorrigível irlandês. Tão incorrigível irlandês como Texas Jack era o incorrigível justiceiro ou Phílip Marlowe o incorrigível detective e ele próprio o incorrigível inútil. A vantagem sobre todos eles era a de não se levar a sério e de apenas querer sobreviver mais uns anos, a de querer que o tempo passe e que Rosa o venha buscar,
embora, se possível, sem interromper nenhuma conversa com Jorge Alonso.
            «Cerveja e pecado, meu amigo. É a única associação que se pode fazer», Jorge Alonso sentado ao balcão do andar superior.
            «Que veio fazer aqui?»
            «Vim ver o bar, tinha saudades. À medida que se envelhece há mais saudades. Os velhos têm mais saudades. E depois adormecem felizes.»
            E sorriu, o cotovelo Poisado sobre uma pilha de jornais em inglês. Jaime Ramos sentou-se no banco ao lado:
            «Cerveja e pecado. Veio beber?»
            «Já não bebo há muitos anos, você sabe. Há muitos ano não faço uma série de coisas.»
            «Já escreveu o testamento?»
            «Já. Deixo-lhe várias caixas de whiskey. Tudo Tullamore que agora está em saldo. Vai ter bebida para muitos anos, se não forçar muito.»
            «Vou ser moderado na bebida.»
Jorge Alonso levantou-se e enrolou os jornais, que guardou debaixo do braço.
            «O meu médico exige que me deite cedo. E eu deito. O Outono é a estação da obediência.»
 
[...]
           
            Alonso vestira o casaco e desceu as escadas do bar, deixando-o sozinho, a pedir uma cerveja clássica, vagamente amarga, apenas vagamente – uma ruiva. «As ruivas fazem parte da minha história pessoal», podia dizer. A ruiva pecaminosa, a ruiva desvairada, a ruiva turbulenta, a ruiva obsessiva que atravessa o palco em busca da tempestade, a ruiva dos filmes, a ruiva dos livros. Não sabia se era mesmo assim: tinha conhecido ruivas angélicas. E gostava de cervejas ruivas, despedindo-se do caramelo, deixando escorrer gotas de água pelas paredes exteriores do copo. Gostava de estar ali, no Bonaparte, que agora a filha de Jorge Alonso comandava. E gostava de quando Rosa vinha ter com ele e se sentava para fumar uma das suas cigarrilhas finas - até para o lembrar de que talvez haja amor para além das mortes que ele coleccionava, e de que não devia cair na tentação de ter pena de si mesmo, como acontecia com os homens de meia-idade. Falhar, tentar de novo, fracassar melhor, mas sem misericórdia, sem nostalgia, sem nada. Olhou, pela janela, para o mar da Foz, o mar da praia dos Ingleses – e viu a chuva a cair sobre as árvores que ainda resistiam ao salitre. Tinha visto a chuva no Vidago, a duzentos quilómetros dali. Mas só agora chegava à Foz, inaugurando o Outono, a estação da obediência.
[...]»
 
Francisco José Viegas in O Mar de Casablanca. Porto Editora.
Tags:
Publicado por Fernando Delgado às 00:53
| Comentar post
Patilhar
Fernando Delgado

Pesquisar

 

Posts recentes

Ajustando as velas

Contrastes

Religiões

Negro profundo

«Ninguém desce vivo de um...

Recomeços

«Custo social dos incêndi...

Sinais

Recoleção

Domesticação...

"geografia das ausências"

Galerias ripícolas

do res nulius ao black ac...

A case of you

Assimetrias

J. Fanha

Eduardo Mendoza

«o pregador de verdades d...

Belos dias

A Gente Vai Continuar

Talamou

Dylon

«A realidade é uma opiniã...

«Human»

Outono

Tags

aprender

canções

estórias

interiores

leituras

notícias do casino

outros olhares

peanuts

pintura

rural

todas as tags

Arquivos