Domingo, 1 de Novembro de 2009

Pum!

Apetecia-me falar do Vara… Sim, do Armando, de todos os armandos-chico-espertos que temos que suportar, dos idiotas do desenrasca, do anafados do faz de conta, daqueles que se esforçam por parecer o que não são… Mas vou ficar por esta nota, por remoer este incómodo, irritado comigo próprio. Não porque siga aquela máxima de que toda a gente é inocente até à condenação (antes de mais nada, antes de todos os processos que nunca chegam ao fim, são os valores éticos que estão em causa…), mas simplesmente porque há coisas que me causam vómitos.

 

Um dia este país vai aparecer de ceroulas, ridiculamente nú, como aquele rei da estória da nossa infância (o nú, numa república, inclui a ceroula, como óbvia remanescência de um imaginário que a pouco e pouco se vai desvanecendo…). Ainda um dia vamos acordar e perguntar a nós próprios o que andámos a fazer, ou o que permitimos que se fizesse… Espero que não seja tarde demais!
Tags:
Publicado por Fernando Delgado às 01:07
| Comentar post
Patilhar
Fernando Delgado

Pesquisar

 

Posts recentes

«Human»

Outono

MEC sobre Trump

À espera de Godot

De Niro, sem maquilhagem

Guterres

Arturo Pérez-Reverte

Achamentos na Costa Vicen...

(Gente) sinistro(a)

«Someday this war's gonna...

BREXIT (adenda)

Brexit

Carla Bley

A Seiva da Raíz

Regresso à «Tabacaria»

Abril

... às portas do casino

a força da canção ao vivo...

O casino!...

Retrospectivas

Avec les temps...

Escravatura...

Umberto Eco

As ondas do Albert

Volta-de-lua

Tags

aprender

canções

estórias

interiores

leituras

notícias do casino

outros olhares

peanuts

pintura

rural

todas as tags

Arquivos