Sexta-feira, 26 de Junho de 2009

Mohammed Dib

«(…)

Ele parece querer apenas arrancar algo de si próprio e, quando consegue, não sem alguma dificuldade, é para se dividir em dois, quando antes era uno e único. A outra parte é uma mulher: aquilo que ele criou. Uma maravilha à sua imagem. E, contudo, parece ter realizado o mais banal dos actos.
(…)
E agora que a todas deu nome – tanto quanto podemos pensar – ele descansa. Enquanto isso, trinca um fruto a ele oferecido pela mulher, também ela nua, tal como a extraiu de si próprio, nua e passeando por esse jardim. Em troca desta dádiva, desta cortesia, ele recita-lhe os nomes que acabou de atribuir às coisas, que, até aí, não tinham nome nenhum. Ela senta-se e, enquanto escuta, com um seio esmagado contra o flanco do homem, a longa enumeração, a bela adormece. Ele repara nisso, parece compreender que é a resposta mais justa à sua fastidiosa litania. Mudo, contempla-a no seu sono. Certamente lembra-se, nesse momento, de que ela é a única que ainda não recebeu nome. E nós ouvimo-lo dar-lhe um.
            - Hawa – diz ele.
            Olha para ela; repete:
            - Hawa.
            - Sim – diz ela, no meio do seu sono.
            Este “sim” atravessa a grade e ouvimo-lo chegar até nós a aflorar-nos com a frescura de uma brisa.
            Mas, mal ela proferiu esta aprovação – e aí reside o artifício que ele usou – o efebo sem idade volta a pegar nela e refunde-a nele, tornando-se o hermafrodita do fim, como já fora o do início. Assim o hermafrodita coroado, o real enigma, é ele, tal como se apresenta diante de nós.
(…)
Depois, o deserto refez-se, devolveu-se a si próprio, simulando de novo esse espaço onde o olhar não sabe onde pousar. E unindo-se, como acaba de fazer, engoliu o que, ainda há instantes, pretendia aí fundar-se, aí permanecer. Mas o sonho perseguir-nos-á na mais profunda gruta onde haveríamos de procurar refúgio: abismo que se abre e que nos abre e onde, com o coração cativo do tormento, ouviremos uma voz de criança que grita: “Pai! Pai!...”
(…)»
 
Mohammed Dib in O Deserto sem Saída. Quetzal.
Tags:
Publicado por Fernando Delgado às 02:03
| Comentar post
Patilhar
Fernando Delgado

Pesquisar

 

Posts recentes

«Ninguém desce vivo de um...

Recomeços

«Custo social dos incêndi...

Sinais

Recoleção

Domesticação...

"geografia das ausências"

Galerias ripícolas

do res nulius ao black ac...

A case of you

Assimetrias

J. Fanha

Eduardo Mendoza

«o pregador de verdades d...

Belos dias

A Gente Vai Continuar

Talamou

Dylon

«A realidade é uma opiniã...

«Human»

Outono

MEC sobre Trump

À espera de Godot

De Niro, sem maquilhagem

Guterres

Tags

aprender

canções

estórias

interiores

leituras

notícias do casino

outros olhares

peanuts

pintura

rural

todas as tags

Arquivos