Segunda-feira, 4 de Maio de 2009

Largo da Memória

«Não sei qual é o "trauma" que Vasco Pulido Valente tem sobre as chamadas Primeira (1910 a 1926) e Segunda República (1974 à actualidade), nem me interessa.

O que me choca é que ele se arme em historiador, quando a única coisa que faz é manipular e deturpar acontecimentos históricos, consoante os seus interesses e o habitual hábito de escrever "contra a corrente".
Menos inocentes e traumáticos são os escritos de Pacheco Pereira, que ninguém diria que em Abril de 1974 fazia parte da extrema esquerda. Também é um bom contador de "estórias", mas tal como o "companheiro vasco", em vez de assinar os seus escritos como ficcionista (vá-se lá saber-se porquê...), também prefere ser considerado historiador...»
Para conferir no Largo da Memória.
     
(Por alguma razão alguém sugeria ontem, que a única maneira de entender o que Manuela Ferreira Leite diz é ligar de imediato ao Abrupto do JPP: está lá, em tempo real, o que ela realmente disse, o que ela quis dizer e ainda o que vai acontecer a seguir, para além obviamente dos habituais sermões aos jornalistas...
Não seria muito mais fácil colocar uma janelinha no canto do ecrã da televisão, com o JPP a "traduzir" o discurso da Manuela?...Agradeciamos todos este serviço público de televisão...)
Tags:
Publicado por Fernando Delgado às 00:41
| Comentar post
Patilhar
Fernando Delgado

Pesquisar

 

Posts recentes

Negro profundo

«Ninguém desce vivo de um...

Recomeços

«Custo social dos incêndi...

Sinais

Recoleção

Domesticação...

"geografia das ausências"

Galerias ripícolas

do res nulius ao black ac...

A case of you

Assimetrias

J. Fanha

Eduardo Mendoza

«o pregador de verdades d...

Belos dias

A Gente Vai Continuar

Talamou

Dylon

«A realidade é uma opiniã...

«Human»

Outono

MEC sobre Trump

À espera de Godot

De Niro, sem maquilhagem

Tags

aprender

canções

estórias

interiores

leituras

notícias do casino

outros olhares

peanuts

pintura

rural

todas as tags

Arquivos