Terça-feira, 21 de Abril de 2009

Vasco Graça Moura

«(…)

Assim o espaço de cada casa guardava um tempo próprio interligado pelo habitante que as percorrera. Como um pintor que começasse por tratar o espaço como um elemento estrutural, tectónico, se se quiser, dos seus quadros e, a partir de certa altura, passasse a tratá-lo como mais uma formulação ou uma função poética, como um fluido menos consistente e sempre inacabado: então não se regista o que acontece cada dia, mas aquilo que surge em nós a propósito do que acontece. É isso que nos trabalha e determina a sequência dos registos e a sua lógica combinatória própria.
(…)»
 
Vasco Graça Moura in Quatro Últimas Canções. Quetzal.
Tags:
Publicado por Fernando Delgado às 02:04
| Comentar post
Patilhar
Fernando Delgado

Pesquisar

 

Posts recentes

«Ninguém desce vivo de um...

Recomeços

«Custo social dos incêndi...

Sinais

Recoleção

Domesticação...

"geografia das ausências"

Galerias ripícolas

do res nulius ao black ac...

A case of you

Assimetrias

J. Fanha

Eduardo Mendoza

«o pregador de verdades d...

Belos dias

A Gente Vai Continuar

Talamou

Dylon

«A realidade é uma opiniã...

«Human»

Outono

MEC sobre Trump

À espera de Godot

De Niro, sem maquilhagem

Guterres

Tags

aprender

canções

estórias

interiores

leituras

notícias do casino

outros olhares

peanuts

pintura

rural

todas as tags

Arquivos