Quarta-feira, 14 de Janeiro de 2009

O passado não se repete

(Esta notícia é muito interessante... Conferir aqui):

 
«Sorri Darwin, a selecção natural foi comprovada mais uma vez e a genética por trás da evolução parece ser como o mundo, só gira para a frente, mesmo quando se tenta imitar o passado. A descoberta veio do Instituto Gulbenkian de Ciência (IGC), em Oeiras, e a estrela é a mosca-do-vinagre, mas a história começou em 1975 quando uma equipa norte-americana submeteu vários grupos de uma população selvagem de Drosophila melanogaster a ambientes diferentes. Passado muitos anos e várias gerações de moscas depois, cada nova população estava adaptada ao seu ambiente.
Em 1996, Henrique Teotónio – investigador e actual líder de um grupo no IGC – foi para a Universidade da Califórnia, em Irvine, fazer o doutoramento em evolução com estas moscas. “O que eu fiz foi muito simples, foi pôr parte dessas populações diferenciadas no ambiente ancestral”, explicou o investigador e primeiro autor do artigo publicado amanhã na revista "Nature Genetics". O que se pretendia era verificar se as populações voltavam ao estado ancestral não só ao nível das características que permitem a sobrevivência e adaptação das populações, mas também ao nível genético.
Na altura, o que se concluiu foi que passado 50 gerações de moscas, todas as populações voltaram a adaptar-se ao ambiente ancestral apesar de muitas características não reverterem ao que as moscas eram. “Há muitas maneiras diferentes de se conseguir o mesmo estado adaptativo”, referiu Teotónio, no entanto faltava saber o que se passava ao nível do genoma.
Para isso, utilizaram-se sete regiões do cromossoma três e comparou-se o grau de diferença da frequência destas regiões entre populações readaptadas ao ambiente ancestral e populações controlo que nunca saíram desse ambiente. Nestas regiões do ADN existem genes com importância nas adaptações ocorridas: ao longo das gerações, os indivíduos que tinham a variação dos genes mais apropriada a cada ambiente sobreviviam e impunham o seu genoma, aumentando a frequência dessa variação.
Ao comparar-se as frequências percebeu-se se a evolução imitava ou não o que ocorreu no passado. “A convergência ao estado ancestral é apenas de 50 por cento, em média, apenas metade das frequências genéticas revertem às frequências genéticas ancestrais”, disse o cientista. Assim, apesar das populações estarem de novo adaptadas ao antigo ambiente, a nível genético são diferentes. “Observámos em tempo real a selecção natural”, explicou o cientista, referindo que a experiência comprova a teoria de Darwin. Como se viu, o passado não se repete
 
Público, 11-01-2009

 

Publicado por Fernando Delgado às 01:01
| Comentar post
Patilhar
Fernando Delgado

Pesquisar

 

Posts recentes

Dylon

«A realidade é uma opiniã...

«Human»

Outono

MEC sobre Trump

À espera de Godot

De Niro, sem maquilhagem

Guterres

Arturo Pérez-Reverte

Achamentos na Costa Vicen...

(Gente) sinistro(a)

«Someday this war's gonna...

BREXIT (adenda)

Brexit

Carla Bley

A Seiva da Raíz

Regresso à «Tabacaria»

Abril

... às portas do casino

a força da canção ao vivo...

O casino!...

Retrospectivas

Avec les temps...

Escravatura...

Umberto Eco

Tags

aprender

canções

estórias

interiores

leituras

notícias do casino

outros olhares

peanuts

pintura

rural

todas as tags

Arquivos