Quarta-feira, 14 de Janeiro de 2009

O passado não se repete

(Esta notícia é muito interessante... Conferir aqui):

 
«Sorri Darwin, a selecção natural foi comprovada mais uma vez e a genética por trás da evolução parece ser como o mundo, só gira para a frente, mesmo quando se tenta imitar o passado. A descoberta veio do Instituto Gulbenkian de Ciência (IGC), em Oeiras, e a estrela é a mosca-do-vinagre, mas a história começou em 1975 quando uma equipa norte-americana submeteu vários grupos de uma população selvagem de Drosophila melanogaster a ambientes diferentes. Passado muitos anos e várias gerações de moscas depois, cada nova população estava adaptada ao seu ambiente.
Em 1996, Henrique Teotónio – investigador e actual líder de um grupo no IGC – foi para a Universidade da Califórnia, em Irvine, fazer o doutoramento em evolução com estas moscas. “O que eu fiz foi muito simples, foi pôr parte dessas populações diferenciadas no ambiente ancestral”, explicou o investigador e primeiro autor do artigo publicado amanhã na revista "Nature Genetics". O que se pretendia era verificar se as populações voltavam ao estado ancestral não só ao nível das características que permitem a sobrevivência e adaptação das populações, mas também ao nível genético.
Na altura, o que se concluiu foi que passado 50 gerações de moscas, todas as populações voltaram a adaptar-se ao ambiente ancestral apesar de muitas características não reverterem ao que as moscas eram. “Há muitas maneiras diferentes de se conseguir o mesmo estado adaptativo”, referiu Teotónio, no entanto faltava saber o que se passava ao nível do genoma.
Para isso, utilizaram-se sete regiões do cromossoma três e comparou-se o grau de diferença da frequência destas regiões entre populações readaptadas ao ambiente ancestral e populações controlo que nunca saíram desse ambiente. Nestas regiões do ADN existem genes com importância nas adaptações ocorridas: ao longo das gerações, os indivíduos que tinham a variação dos genes mais apropriada a cada ambiente sobreviviam e impunham o seu genoma, aumentando a frequência dessa variação.
Ao comparar-se as frequências percebeu-se se a evolução imitava ou não o que ocorreu no passado. “A convergência ao estado ancestral é apenas de 50 por cento, em média, apenas metade das frequências genéticas revertem às frequências genéticas ancestrais”, disse o cientista. Assim, apesar das populações estarem de novo adaptadas ao antigo ambiente, a nível genético são diferentes. “Observámos em tempo real a selecção natural”, explicou o cientista, referindo que a experiência comprova a teoria de Darwin. Como se viu, o passado não se repete
 
Público, 11-01-2009

 

Publicado por Fernando Delgado às 01:01
| Comentar post
Patilhar
Fernando Delgado

Pesquisar

 

Posts recentes

mapas rurais

Ajustando as velas

Contrastes

Religiões

Negro profundo

«Ninguém desce vivo de um...

Recomeços

«Custo social dos incêndi...

Sinais

Recoleção

Domesticação...

"geografia das ausências"

Galerias ripícolas

do res nulius ao black ac...

A case of you

Assimetrias

J. Fanha

Eduardo Mendoza

«o pregador de verdades d...

Belos dias

A Gente Vai Continuar

Talamou

Dylon

«A realidade é uma opiniã...

«Human»

Tags

aprender

canções

estórias

interiores

leituras

notícias do casino

outros olhares

peanuts

pintura

rural

todas as tags

Arquivos