Domingo, 4 de Janeiro de 2009

Palestina

 

Não sei quem tem razão nesta guerra sem fim. Nem sequer sei se existe alguma coisa de racional em toda aquela luta por qualquer coisa que não se entende muito bem qual é – parece-me mais um espectáculo com actores ridículos para espectadores hipócritas, sejam eles ditadores árabes ou eminentes democratas ocidentais. No fundo, bem no fundo, pouco importa quem morre e porque se morre: calados ou não, defendem sobretudo os interesses, os seus interesses, numa atitude de pura hipocrisia política.
Não sou ingénuo – o mundo é assim! Não ignoro que existem causas, pelas quais às vezes se morre e que, em última análise, a morte faz parte da vida, uma espécie de epílogo… Mas não adianta: esta repulsa nem sequer é racional, é quase orgânica, porque a verdade, ainda mais verdade em guerras santas, é que não há nada de transcendente, divino ou belo num corpo que arrefece!

 

Publicado por Fernando Delgado às 01:26
| Comentar post
Patilhar
Fernando Delgado

Pesquisar

 

Posts recentes

Dylon

«A realidade é uma opiniã...

«Human»

Outono

MEC sobre Trump

À espera de Godot

De Niro, sem maquilhagem

Guterres

Arturo Pérez-Reverte

Achamentos na Costa Vicen...

(Gente) sinistro(a)

«Someday this war's gonna...

BREXIT (adenda)

Brexit

Carla Bley

A Seiva da Raíz

Regresso à «Tabacaria»

Abril

... às portas do casino

a força da canção ao vivo...

O casino!...

Retrospectivas

Avec les temps...

Escravatura...

Umberto Eco

Tags

aprender

canções

estórias

interiores

leituras

notícias do casino

outros olhares

peanuts

pintura

rural

todas as tags

Arquivos